18:41 12 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    A entrada de um túnel de invasão sob a zona desmilitarizada entre a Coreia do Sul e a Coreia do Norte, vista da parte sul, em 27 de setembro de 2006

    Mídia: EUA se preparam para guerra subterrânea com Coreia do Norte

    © AFP 2018 / ERIC WISHART
    Ásia e Oceania
    URL curta
    12612

    Os estrategistas norte-americanos e desenvolvedores de armas tentam acelerar as tecnologias de rede para soldados que operam em áreas subterrâneas, túneis e em densas zonas urbanas, informa o autor Kris Osborn, em seu artigo no The National Interest.

    Enquanto o exército norte-americano criou associações tais como a Força de Equipamento Rápido (REF em inglês) para conter as crescentes ameaças, a perspectiva de um conflito terrestre na península da Coreia assumiu uma maior urgência nos últimos meses, informa Kris Osborn em seu artigo no The National Interest.

    "Tínhamos olhado para as operações na península da Coreia", comunicou à Scout Warrior o chefe da REF, coronel John Lanier Ward.

    O cenário tem uma influência particular sobre a REF que pretende identificar as necessidades de combate dos soldados, criar requisitos e trabalhar com a indústria e os desenvolvedores de programas do Exército para identificar rapidamente as tecnologias adicionais que podem ter um resultado imediato. 

    A preparação para o combate em túneis e zonas urbanas com a Coreia do Norte, não é uma novidade. Mas enquanto as particularidades de opções militares para a Coreia do Norte não são debatidas abertamente pelo Pentágono, muitos observadores e analistas discutem sobre tal contingência. 

    Soldado sul-coreano na entrada de um túnel de invasão sob a zona desmilitarizada entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul, em 27 de setembro de 2006
    © AFP 2018 / ERIC WISHART
    Soldado sul-coreano na entrada de um "túnel de invasão" sob a zona desmilitarizada entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul, em 27 de setembro de 2006

    Existem vários aspectos da possível invasão da Coreia do Norte para a Coreia do Sul, não menos importante, os mísseis e a artilharia convencionais norte-coreanos representariam uma ameaça substancial às áreas povoadas ao sul da Zona Desmilitarizada. Mas qualquer ataque terrestre sem mísseis convencionais, ou com eles, será bastante arriscado.

    Além disso, o conflito terrestre inquestionavelmente exigirá a aplicação de várias táticas necessárias – grandes formações de veículos blindados, armas de alta precisão de longo alcance, manobras combinadas e coordenação terrestre e aérea. 

    "Realmente nos concentramos em soldados em solo. Qualquer soldado pode visitar o nosso portal e dizer 'Tenho um problema que não posso resolver'", confirmou o diretor da REF. 

    Considerando isso, é importante para os estrategistas norte-americanos que desenvolvem as tecnologias de rede e dispositivos de comunicação especialmente para possíveis combates subterrâneos ou nas zonas urbanas. 

    As operações subterrâneas frequentemente negam a utilização das comunicações digitais ou analógicas, os meios de reconhecimento não tripulados e iluminação necessária, diminuindo a percepção situacional e bloqueando sensores que permitiriam examinar as áreas obscuras. 

    Citando os exemplos históricos em túneis subterrâneos tais como as operações durante a Guerra da Coreia, no Vietnã, o coronel John Lanier Ward mencionou as equipes especiais formadas especialmente para estudar as futuras ameaças e a probabilidade de combate em lugares fechados. 

    Há 5 anos, a REF recebeu um pedido da 2ª Divisão de Infantaria para desenvolver o equipamento das operações nos túneis norte-coreanos. A REF está também testando pequenos rádios e dispositivos que estabelecerão comunicação entre os soldados na superfície e os soldados que operam no subterrâneo. 

    Mais:

    Coreia do Norte tem 15 alvos principais em caso de guerra com os EUA, diz relatório
    '7 passos' dos EUA para eliminar míssil da Coreia do Norte (FOTO)
    Tags:
    defesa, tensões, túneis secretos, ameaça, subterrâneo, combate, exército, preparação, Pentágono, Coreia do Norte, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik