03:49 19 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Lançamento de um míssil dos EUA

    CHAMP: míssil dos EUA pode 'incinerar' armas nucleares de Pyongyang?

    © Foto : Departamento de Defesa dos EUA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    212011

    A CHAMP utiliza explosões de energia de micro-ondas – impulsos eletromagnéticos para desativar sistemas eletrônicos do inimigo e que pode ser utilizado para desativar mísseis norte-coreanos, afirma a publicação do The National Interest.

    A ideia é lançar um míssil de cruzeiro tal como o AGM-86C dotado da ogiva CHAMP transportado pelo B-52 para conter as forças nucleares de Pyongyang, afirma colunista Dave Majumdar, em seu artigo no The National Interest.

    "Tais sinais de micro-ondas de grande potência são muito efetivos em desestabilizar e possivelmente desativar circuitos eletrônicos", comunicou à NBC News, Mary Lou Robinson, que chefia o desenvolvimento de armas no Laboratório de Pesquisas da Força Aérea.  

    A CHAMP ainda não está pronta para o deslocamento operacional, mas os oficiais da Força Aérea acreditam que a arma pode ser preparada para o funcionamento de contingência durante alguns dias, em caso de necessidade. Os EUA de fato testaram a arma contra as instalações que produzem as armas de destruição em massa. 

    Em meio às sugestões de que os EUA possam utilizar as armas como a CHAMP para abater os mísseis norte-coreanos, surge um problema fundamental, afirma Jeffrey Lewis, diretor do Programa de Não-Proliferação do Leste Asiático no Instituto Middlebury de Estudos Internacionais em Monterey.

    "Eles vão ver mísseis de cruzeiro intervindo no país e ouvirão explosões. Quando descobrirem que são projéteis HPM menos letais, seria realizado um ataque de retaliação", afirmou Jeffery Lewis.

    Kingston Reif, funcionário de alto cargo da Associação de Controle de Armas está de acordo com Lewis, afirmando que se a Coreia do Norte detectar o míssil é mais provável que tentem abatê-lo ou lançar um ataque de resposta sem tentar perceber de que tipo é o projétil. 

    "Se sabem a localização de um míssil prestes a lançar, ou o local nuclear e querem alcançá-lo com um míssil de cruzeiro, é muito mais vantajoso utilizar explosivos convencionais. Qual é a vantagem de usar uma munição que é menos provável de danificá-lo e que pode danificá-lo de uma forma que não podemos ver? Pensem sobre um míssil. Não quero só incinerar a eletrônica do míssil. Quero destruir o míssil, o transportador e os operadores que o lançaram", afirmou analista militar e especialista em mísseis, Vipin Narang, mostrando-se contra a utilização da CHAMP. 

    Além disso, a Força Aérea norte-americana admite que o míssil deve aproximar-se da distância mais próxima possível do alvo para agir efetivamente, enquanto os mísseis norte-coreanos ficam bem escondidos e protegidos. 

    Teoricamente, a CHAMP pode conseguir cumprir os desejos da Força Aérea, mas existem várias incertezas. As micro-ondas de alta potência prejudicarão a eletrônica, mas de acordo com Lewis, não está claro o quanto de energia é necessário para desativar os sistemas específicos que podem ser complexos e protegidos. Sem saber em detalhes as particularidades da eletrônica dos mísseis norte-coreanos, será difícil confiar em qualquer resultado positivo da CHAMP.

    Mais:

    Guerra entre EUA e Coreia do Norte em 2018 é um cenário real?
    Rússia: caso EUA busquem pretexto para destruir Coreia do Norte, 'que o digam abertamente'
    Tags:
    tensões, capacidade militar, defesa, análise, míssil, ameaça, Coreia do Norte, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik