12:06 23 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Lançamento do míssil balístico intercontinental Hwasong-15 que teve lugar na noite de 28 para 29 de novembro

    Ex-secretário dos EUA: contra Pyongyang, Seul e Tóquio deveriam ter armas nucleares

    © REUTERS / KCNA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    632
    Nos siga no

    Um ex-secretário dos Estados Unidos afirmou que seria "preferível" que a Coreia do Sul e o Japão pudessem adquirir capacidades nucleares independentes de Washington diante da crescente ameaça nuclear representada pela Coreia do Norte.

    Na opinião de William Perry, que serviu ao governo do ex-presidente Bill Clinton entre 1994 e 1997, o melhor caminho hoje para Seul e Tóquio seria desenvolver suas próprias armas nucleares, ao contrário do envio de armamentos estadunidenses para os dois países.

    "Eu não acho necessário ou desejável desdobrar armas nucleares novamente na Coréia do Sul e no Japão", disse Perry em um fórum, de acordo com a agência sul-coreana Yonhap. "Mas acho que é preferível que esses países consigam uma força nuclear independente".

    Na Coreia do Sul, opositores do presidente Moon Jae-in vem usando o Parlamento para criticar a conduta do governo, pregando que é impossível trazer Pyongyang para a mesa de negociações e que é tempo de Seul ter as suas próprias armas nucleares.

    No Japão, o primeiro-ministro Shinzo Abe pode oferecer ao Legislativo nos próximos meses uma proposta de rever a Constituição do país que proíbe uma série de iniciativas militares, algo que perdura desde o fim da Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

    Para Perry, os EUA deveriam primeiro fornecer "uma garantia sólida" a ambos os aliados de que seu compromisso com a dissuasão prolongada na região é "real e será honrada" – uma dúvida recorrente desde que o presidente Donald Trump assumiu o país.

    "Se pudermos fazer isso, ao longo do tempo trabalharemos com a Coreia do Norte para impedir que eles obtenham um arsenal nuclear", afirmou. "Eu não vejo isso acontecer hoje. Penso que temos que estabilizar a situação com nossos aliados primeiro".

    Quando Perry integrou o governo Clinton, EUA e Coreia do Norte firmaram um acordo para que Pyongyang suspendesse o seu programa militar, em troca de ajuda econômica. Contudo, a proposta acabou não resistindo aos anseios norte-coreanos e não perdurou.

    Na semana passada, o governo norte-coreano lançou um novo míssil balístico intercontinental (ICBM, na sigla em inglês), o Hwasong-15, que seria capaz de atingir qualquer parte dos EUA, levando consigo uma ogiva nuclear.

    O mais recente teste acirrou ainda mais as tensões já altas na península, com Washington reforçando que aceita negociar com Pyongyang, desde que os norte-coreanos congelem o seu programa nuclear – algo que a Coreia do Norte se recusa a fazer em prol da sua soberania.

    Mais:

    Manobras dos EUA e Coreia do Sul comprovam término do 'período de silêncio'?
    Coreia do Sul cria unidade para eliminar líderes da Coreia do Norte
    Coreia do Norte quer ser reconhecida como 'potência nuclear' para negociar com os EUA
    Coreia do Norte justificou seu último lançamento de míssil: a culpa é dos EUA
    Tags:
    mísseis balísticos intercontinentais, icbm, programa nuclear, arsenal nuclear, armas nucleares, Hwasong-15, Bill Clinton, Donald Trump, Kim Jong-un, Shinzo Abe, Moon Jae-in, Estados Unidos, Japão, Coreia do Sul, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar