14:24 26 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Kim Jong-un, durante teste com submarino da Coreia do Norte

    Mais uma preocupação para EUA e aliados: Pyongyang estaria avançando seus submarinos

    KCNA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    12343

    O desenvolvimento de submarinos capazes de portar mísseis balísticos por parte da Coreia do Norte pode se tornar outra dor de cabeça para os EUA, Coreia do Sul e Japão, avaliam os especialistas militares.

    É possível que o país esteja desenvolvendo seus próprios submarinos e mísseis balísticos lançados a partir de submarinos (SLBM, na sigla em inglês).

    Segundo os especialistas que estudaram as recentes imagens de satélite dos estaleiros navais norte-coreanos, o país asiático pode estar preparando um novo ensaio dessa tecnologia.

    Por enquanto, é pouco provável que a Coreia do Norte tenha a capacidade de lançar mísseis nucleares a partir de um submarino. No entanto, os engenheiros norte-coreanos vão avançando ativamente neste domínio e podem alcançar essa tecnologia já em 2018, segundo o canal CNBC.

    Se o país começar a projetar submarinos e mísseis, seus possíveis ataques representam uma ameaça mais significativa, de acordo com o analista militar norte-americano Joseph S. Bermúdez Jr. citado pelo CNBC.

    O especialista acrescenta que as imagens de satélite mostram que a barcaça de mísseis de teste estava se preparando para entrar em serviço no estaleiro de Nampo da Marinha norte-coreana.

    "Uma vez em serviço, esta barcaça ajudará a começar os ensaios do míssil balístico lançado a partir de submarinos para aumentar a capacidade da frota norte-coreana", avaliou Bermúdez.

    Bermúdez explica que a barcaça de teste é utilizada para simular as armas que poderiam estar dentro do submarino, devido a que é considerado muito perigoso e caro fazer os primeiros testes no interior de um submarino real.

    O especialista observa que os norte-coreanos se dão conta de que os militares dos EUA estão monitorando o processo de desenvolvimento de seus preparativos e tentam escondê-lo e fazê-lo menos visível para o satélite. Não obstante, a analista afirma que a atividade nos estaleiros deve ser considerada como "um indicador significativo de que Pyongyang está avançando".

    Em 2016, o exército norte-coreano realizou alguns testes com a tecnologia SLBM, durante os quais um dos mísseis voou pelo menos 500 quilômetros. É possível que Pyongyang esteja construindo um submarino mais potente e capaz de lançar vários mísseis de uma vez.

    Apesar de a tecnologia norte-coreana não estar plenamente desenvolvida, o cenário atual pode se tornar um problema para a Coreia do Sul e Japão, já que os submarinos têm a possibilidade de passar despercebidos pelos sistemas de defesa mais sofisticados.

    Isso permitiria que a Coreia do Norte mantivesse a ameaça real de lançar seus mísseis fora do raio de ação dos radares do sistema Patriot e do sistema norte-americano THAAD, desdobrados na Coreia do Sul e orientados para o norte da península coreana.

    Além disso, os especialistas não descartam que os submarinos norte-coreanos possam ser capazes de se aproximar até das costas dos EUA.

    "O maior problema dos Estados Unidos relacionado com o possível lançamento de um míssil nuclear norte-coreano consiste em que é impossível evitar um ataque atômico se não se sabe de onde vem. É por isso que os norte-coreanos tentam elaborar lançadores móveis e submarinos de mísseis balísticos", explica o especialista militar Loren Thompson.

    No entanto, Thompson destaca que a construção de um submarino desse tipo, que seja capaz de funcionar plenamente, é um desafio de grande complexidade para a indústria militar da Coreia do Norte.

    Mais:

    Mídia: Coreia do Norte pode estar desenvolvendo novo míssil balístico para submarinos
    Nova plataforma para lançar mísseis de submarinos foi descoberta na Coreia do Norte
    Coreia do Norte progride no lançamento de mísseis a partir de submarinos
    Tags:
    indústria militar, ataque, mísseis, submarino, Coreia do Sul, Japão, EUA, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik