01:55 22 Julho 2018
Ouvir Rádio
    O lançamento de míssil de médio alcance durante os exercícios na photo publicada pela Agência noticiosa norte-coreana em Pyongyang em 30 de agosto de 2017

    Especialista sobre posição de Pyongyang quanto a negociações: este país não tem aliados

    © REUTERS / KCNA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Coreia do Norte lança mais um míssil (38)
    290

    A Duma de Estado russa revelou as condições que a Coreia do Norte aceita para iniciar negociações com os EUA. O analista político Stanislav Byshok, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, argumentou como a Rússia pode ajudar neste processo.

    Pyongyang não está pronta a desistir de seu programa nuclear e afirma ser obrigada a "se mostrar agressiva", assinalou o deputado da Duma de Estado russo, Vitaly Pashin, que fez parte de uma delegação da câmara baixa do parlamento russo à Coreia do Norte.

    De acordo com ele, Pyongyang está pronta a realizar conversações, independentemente de seu estatuto: como nação nuclear ou "portadora".

    Segundo o chefe da delegação russa, Kazbek Taisaev, as autoridades da Coreia do Norte se mostraram prontas a negociar segundo o plano para resolução da crise proposto pela Rússia. Ele sublinhou que Pyongyang percebe: uma saída da crise é impossível sem a participação da Rússia.

    O analista russo Stanislav Byshok, em entrevista ao serviço da Rádio Sputnik, opinou quanto ao comportamento da Coreia do Norte: para ele, Pyongyang não possui aliados no sentido militar, isso pode explicar sua atitude.

    "A Coreia do Norte é um país que não possui aliados. Muitos acreditam que a China seja um deles, mas oficialmente os dois países não são aliados. Os aliados da Coreia do Sul são os EUA e o Japão. Quando todos estes países realizam manobras perto do litoral norte-coreano, ninguém mostra nenhuma reação além de Pyongyang. Mas, quando a Coreia do Norte lançou um míssil e aquele caiu no oceano longe de povoações, isto provocou fortes protestos. Sendo assim, a atitude por parte da Rússia é justa: caso vocês desejem que a Coreia do Norte acabe com suas provocações, então acabem vocês com as suas. Mas os EUA não desejam seguir esta direção e vêm reforçando seu potencial na região. Sendo assim, para a Coreia do Norte é a única forma de se proteger de um possível ataque", assinalou Stanislav Byshok.

    Ele argumentou por que é precisamente a Rússia quem pode ajudar nesta situação.

    "A Coreia do Norte faz fronteiras apenas com três países. Com um deles [Coreia do Sul], as relações são hostis, com a China são peculiares. Nesta situação, a vantagem da Rússia é que o nosso intercâmbio comercial com a Coreia do Norte é muito insignificante, não estamos fortemente ligados com esse país asiático, além de termos uma fronteira comum. Moscou está interessada em atenuar as tensões em torno da Coreia do Norte e que o país asiático desista de seu programa nuclear. A posição da China é meio ambígua: por um lado, o país apoia parcialmente as sanções, contudo, levando em consideração que a maior parte das exportações norte-coreanas têm a China como destino, caso eles quisessem ‘pressionar’ Pyongyang, então simplesmente deixariam de comprar mercadorias à Coreia do Norte. A posição da China é clara: o país acredita que Washington não vai parar caso a Coreia do Norte desista de seus testes nucleares, ele vai exigir a mudança do regime. É provável que qualquer outro regime opte pela cooperação com os EUA, e não com a China", supõe Stanislav Byshok.

    Tema:
    Coreia do Norte lança mais um míssil (38)

    Mais:

    Analista: Trump arruína todos os avanços na questão da Coreia do Norte
    Coreia do Norte tem 15 alvos principais em caso de guerra com os EUA, diz relatório
    '7 passos' dos EUA para eliminar míssil da Coreia do Norte (FOTO)
    Tags:
    crise coreana, aliados, negociações, Rússia, EUA, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik