23:10 26 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Revista chinesa com foto de Kim Jong-nam, irmão assassinado do atual líder norte-coreano, Kim Jong-un

    Irmão de Kim Jong-un envenenado estava transportando antídoto

    © REUTERS / Thomas Peter
    Ásia e Oceania
    URL curta
    460

    Kim Jong-nam, irmão do atual líder norte-coreano assassinado no aeroporto de Kuala Lumpur em fevereiro, levava em sua mochila 12 ampolas de atropina.

    É uma substância usada como antídoto para combater efeitos de alguns venenos e substâncias nervo-paralíticas, incluindo VX, cujos vestígios foram detectados na pele de Kim Jong-nam, revelou o jornal malaio Star Online.

    A edição cita a Dra. K. Sharmilah, chefe da unidade de álcool e toxicologia clínica do Departamento de Química do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação da Malásia.

    "Recebi estes objetos [o antídoto] junto com outras sete provas entregues pela polícia às 16h16 [06h16 no horário de Brasília] de 10 de março para testes de toxicologia", declarou Sharmilah na quarta-feira (29) no Tribunal Supremo.

    A especialista negou as declarações dos advogados dos acusados de que a etiqueta do antídoto estaria marcada em coreano.

    Kim Jong-nam, de 45 anos, que apresentou passaporte com o nome Kim Chol, morreu envenenado no aeroporto de Kuala Lumpur em 13 de fevereiro. Polícia local revelou em sua pele vestígios da substância VX nervo-paralítica, proibida pela Convenção sobre as Armas Químicas.

    Em outubro, deu início ao julgamento de dois suspeitos no crime. Uma vietnamita e indonésia atacaram o coreano no aeroporto, borrifaram um gás com componentes da substância VX no rosto do homem. As acusadas declaram ter sido convidadas para participar de uma pegadinha sem ao saber quem era o homem morto.

    Outros quatro suspeitos, cidadãos norte-coreanos, conseguiram escapar para Pyongyang, supostamente com a assistência do segundo secretário da embaixada norte-coreana e de um funcionário da companhia aérea Air Koryo.

    Vietnamita Doan Thi Huong (de vestido e colete à prova de balas) acompanhada por policiais enquanto sai do tribunal em Shah Alam, Malásia
    Vietnamita Doan Thi Huong (de vestido e colete à prova de balas) acompanhada por policiais enquanto sai do tribunal em Shah Alam, Malásia

    A Coreia do Norte se recusou a cooperar na investigação do caso e acusou as autoridades da Malásia de conspiração com Seul, que desde o início atribui a Pyongyang culpa pelo crime.

    A acusação desatou a crise diplomática entre Kuala Lumpur e Pyongyang, levando à expulsão de seus embaixadores das missões.

    A Coreia do Norte anunciou também proibição temporária para saída de malaios do seu território nacional, recebendo resposta recíproca da Malásia.

    Mais:

    Secretário de Estado dos EUA: Sanções farão Pyongyang entender a necessidade da diplomacia
    Polônia: provocações de Pyongyang estão ligadas ao 'comportamento agressivo' da Rússia
    Norte-coreanos são presos na China por plano para matar 'sucessor' de Kim Jong-un
    Tags:
    assassinato, processo, veneno, suspeitos, julgamento, tribunal
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar