15:33 18 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Kim Jong-un observa míssil balístico de longo alcance Hwasong-12.

    Kim não vai gostar: Rússia elogia sul-coreanos e exalta plano para conter Coreia do Norte

    © REUTERS / KCNA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    20184
    Nos siga no

    A Rússia elogiou o governo da Coreia do Sul e se disse pronta para cooperar em prol de uma solução pacífica para a crise que atinge a Península da Coreia, sobretudo diante do programa nuclear da Coreia do Norte e dos seus testes balísticos e nucleares.

    Foi o que afirmou o vice-ministro russo de Relações Exteriores, Igor Morgulov, o principal negociador da Rússia no programa de armas nucleares da Coreia do Norte, no encontro com Lee Do-hoon, representante especial para paz e segurança da Península da Coreia no Ministério de Relações Exteriores sul-coreano.

    "Estamos prontos para uma cooperação estreita com a Coreia do Sul com o objetivo de conseguir uma resolução pacífica de questões gerais na região. A Coreia do Sul está contribuindo para o desenvolvimento da segurança na Península da Coreia", disse Morgulov, citado pela agência de notícias sul-coreana Yonhap.

    A participação maior de Moscou nas discussões em torno das provocações de Pyongyang sempre foi um dos objetivos do presidente sul-coreano Moon Jae-in. De acordo com Lee, "a Rússia tem sido o parceiro de longo prazo da Coreia do Sul em esforços para resolver a questão nuclear norte-coreana".

    "Eu acho que essa reunião é muito oportuna, ocorrendo em um momento como hoje, quando os problemas nucleares e de mísseis da Coreia do Norte estão se tornando cada vez mais sérios", destacou o dirigente sul-coreano. Assim como Estados Unidos e China, Rússia e Coreia do Sul pregam a desnuclearização da península, o que Pyongyang não aceita.

    Sabe-se que o líder norte-coreano Kim Jong-un não está satisfeito com a postura de Pequim e Moscou, seus dois principais aliados históricos, que também implementaram sanções segundo a resolução mais recente do Conselho de Segurança da ONU. De acordo com Morgulov, o Kremlin está engajado em trazer Kim para a mesa de negociações.

    Contudo, o vice-ministro russo destacou não acreditar que a resposta para a crise venha por meio de sanções. Para ele, a proposta de China e Rússia, que conta com pelo menos três passos a serem tomados, seria bem mais eficaz para demover a Coreia do Norte de se tornar uma potência nuclear.

    "Através de sanções ou pressão podemos não conseguir o efeito de levar a Coreia do Norte à mesa de negociações. Quanto mais fortes forem as sanções e a pressão sobre a Coreia do Norte, maior será o dano aos norte-coreanos normais", afirmou Morgulov, que ressaltou que as discussões multilaterais, em qualquer lugar e sem exigências da Rússia, deveriam ser consideradas para uma solução.

    De acordo com a proposta já exposta por Moscou e Pequim, o primeiro passo seria que EUA e Coreia do Sul suspendessem os seus exercícios militares conjuntos, ao mesmo tempo que Pyongyang congelaria o seu programa nuclear – daí o nome “duplo congelamento” da proposta. Em seguida, se buscaria estabelecer linhas diretas de Pyongyang com Washington e Seul. Em um terceiro estágio, teriam início as negociações multilaterais.

    Entretanto, até o momento Washington e Seul não aceitam nem mesmo a primeira etapa da proposta, algo que para Pyongyang é fundamental para qualquer ideia de criar uma linha de diálogo com os países considerados inimigos.

    Mais:

    Ameaça da Coreia do Norte coloca Havaí em alerta de possível ataque nuclear
    Chanceler japonês quer obrigar a Coreia do Norte a desistir do programa nuclear
    O que aconteceria exatamente se EUA atacassem Coreia do Norte com armas nucleares?
    Tags:
    relações bilaterais, guerra, sanções, diplomacia, Kim Jong-un, Moon Jae-in, Lee Do-hoon, Igor Morgulov, Península da Coreia, Estados Unidos, China, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar