03:53 22 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Submarino USS New Hampshire, um dos modelos de classe Virínia da Marinha dos EUA

    Outro aviso a Pyongyang? Submarino nuclear dos EUA aporta em ilha sul-coreana (FOTO)

    © AP Photo / Robert F. Bukaty
    Ásia e Oceania
    URL curta
    1096
    Nos siga no

    O submarino nuclear de ataque norte-americano USS Mississippi da classe Virgínia atracou na quarta-feira (22) no porto da ilha sul-coreana de jeju, possivelmente como parte das constantes advertências a Pyongyang, segundo informa a Yonhap.

    As Marinhas dos EUA e da Coreia do Sul "partilham forte cooperação que está sendo reforçada constantemente através de interações regulares que melhoram e incentivam nossas relações", disse o comandante das Forças Navais norte-americanas Coreia, Brad Cooper, citado pela Yonhap

    O comandante do USS Mississippi, Eric J. Rozek, afirmou que para sua equipe de cerca de 150 marinheiros "foi uma honra ser o primeiro submarino a visitar a ilha de Jeju".

    O desdobramento na região Indo-Pacífica é parte de "décadas de trocas, treinamentos e colaboração", disse Rozek, acrescendo que a cooperação bilateral ajuda a "criar capacidades que, caso sejam unidas, asseguram a estabilidade e segurança regional". O porto-base do USS Mississippi está localizado no Havaí, mas a Marinha norte-americana afirma que este é capaz de operar por todo o mundo.

    Nem todos debaixo ou perto do oceano estão preocupados com a ameaça iminente apresentada pelo USS Mississippi. Em julho, foi postado um vídeo de golfinhos nadando ao longo do submarino furtivo de quase 115 metros.

    No entanto, em Jeju, ainda não foram detectadas as escoltas de golfinhos.

    Mais:

    Fim do silêncio: Coreia do Norte lançará míssil até o fim do ano, diz agência sul-coreana
    Japão: testes nucleares e de mísseis da Coreia do Norte são absolutamente inaceitáveis
    Tags:
    marinheiros, submarino nuclear, USS Mississippi, Marinha dos EUA, Coreia do Sul, Coreia do Norte, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar