00:32 19 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    O líder norte-coreano, Kim Jong-un (foto de arquivo)

    Kim Jong-un e sua saúde estão influenciando a pausa nos testes da Coreia do Norte?

    © AP Photo / Wong Maye-E
    Ásia e Oceania
    URL curta
    1876

    Aos 33 anos de idade, o líder norte-coreano Kim Jong-un poderia estar com problemas de saúde e isso teria tido influência na ausência de novos testes balísticos e nucleares da Coreia do Norte nos últimos dois meses, noticiou a mídia britânica.

    Pyongyang realizou seu último teste de mísseis em 15 de setembro. Isso foi seguido por mais de 60 dias de silêncio: algo atípico para o que tínhamos acostumado este ano ao governo norte-coreano, que desde fevereiro lançou um total de 22 mísseis ao longo de 15 testes.

    O jornal britânico Daily Star atribuiu essa inatividade à deterioração da saúde de Kim e rumores de que o líder norte-coreano sofre de doenças como gota, diabetes, problemas cardíacos e hipertensão arterial.

    A publicação alegou que, nas últimas aparições publicas de Kim, ele parecia inchado e às vezes suado.

    Em particular, a mídia relatou que, durante uma visita a uma fábrica de cosméticos, Kim parecia desconfortável em pé e se inclinando pesadamente sobre as mesas até que em um ponto eles lhe trouxeram uma cadeira dobrável para se sentar.

    Já em 2014, Kim "desapareceu" durante seis semanas e as autoridades da Coreia do Norte admitiram então que sofria de uma "condição física incômoda".

    O Daily Star também revelou que o chefe de Estado da Coreia do Norte possui uma equipe de médicos que trabalham exclusivamente com Kim para prolongar sua vida.

    Mais:

    Por insulto a Kim Jong-un, jornal norte-coreano condena 'cachorro raivoso Trump' à morte
    Por que soldados norte-coreanos estão desapontados com Kim Jong-un?
    Coreia do Norte: Kim deixa reclusão para mostrar ao mundo o seu 'cavalo de aço'
    Tags:
    saúde, testes nucleares, testes balísticos, Kim Jong-un, Pyongyang, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik