00:37 27 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Tibetanos pastando iaques nos campos alpinos de Nagqu, na região autônoma do Tibete, China

    China pode vir a pagar pelas 'árvores mais caras do mundo' para alegria de seus soldados

    © AP Photo / Elizabeth Dalziel, File
    Ásia e Oceania
    URL curta
    574

    A China usará energia solar para derreter o pergelissolo em Nagqu, cidade com o clima quase polar na região autônoma do Tibete, para crescimento de árvores na região.

    Nagqu é conhecida por sua flora e fauna extremamente diversas, mas o frio intenso explica a falta de árvores na região.

    De acordo com um artigo do PLA Daily (jornal oficial do Exército de libertação Popular), a falta de árvores está causando colapsos mentais nos militares chineses, que estão instalados na cidade. Quando os soldados de Nagqu viajam a Lahsa — capital do Tibete — supostamente abraçam árvores assim que chegam, informou o jornal chinês South China Morning Post.

    O novo projeto da China, que prevê uso de energia solar para possibilitar o cultivo de áreas florestais em Nagqu, ignora o clima local e as necessidades de sua flora e fauna; o importante é tornar a paisagem mais confortável para seus soldados.

    Porém, muitos especialistas falam sobre custo exorbitante para realização da ideia e os possíveis efeitos negativos à natureza.

    "Alguns funcionários estariam fazendo isso para agradar o presidente, mas a maioria dos cientistas está preocupada com o projeto", disse um pesquisador anônimo ao South China Morning Post.

    Trabalhadores já instalaram painéis solares em campos alpinos para transformar raios do Sol em eletricidade, fazendo com que uma rede de aquecimento de fios de cobre derreta o solo constantemente congelado, permitindo o possível crescimento de árvores.

    Segundo dados científicos, o uso de painéis solares para funcionamento de redes de aquecimento permitiu cultivo de árvores tais como abeto, cipreste e pinheiros em uma área maior do que 30 estádios esportivos. No entanto, o custo total do projeto pode chegar a 10 milhões de dólares (R$ 32,6 milhões).

    "Estas podem ser as árvores mais caras do mundo", afirmou outro cientista.

    O projeto também pode prejudicar a delicada balança ecológica da região, pois árvores artificialmente criadas drenarão os recursos de água da zona, assim como mudarão o habitat dos animais locais.

    Mais:

    Construção do futuro: na China aparecerá 'base extraterrestre' (FOTO)
    China tira mais um 'trunfo' aos EUA criando catapultas eletromagnéticas para porta-aviões
    Tags:
    ameaça, ecologia, mudanças climáticas, floresta, árvores, Tibete, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik