01:38 20 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Xi Jinping e outros membros do Partido Comunista, no 19° Congresso Nacional do Partido Comunista, em Pequim

    'Alguns não acreditam em Marx e Lenin, mas em fantasmas e deuses', acusa líder chinês

    © REUTERS / Damir Sagolj
    Ásia e Oceania
    URL curta
    7114

    Alguns políticos chineses são culpados de praticar feitiçaria e preferem acreditar em gurus e conceitos ocidentais de democracia a crer no Partido Comunista, acusou Chen Xi, líder do Departamento de Organização - poderoso órgão responsável pelas nomeações de cargos políticos e de empresas estatais.

    "Alguns não acreditam em Marx e Lenin, mas em fantasmas e deuses, não acreditam em ideais, mas acreditam na feitiçaria, não respeitam as pessoas, mas respeitam os mestres", escreveu Xi no jornal Diário do Povo.

    Pequim garante liberdade para fiéis de religiões como budismo, cristianismo e islamismo, mas os membros do Partido Comunista da China devem ser ateus e não podem realizar práticas "supersticiosas", como visitar adivinhos — uma rotina comum no país. 

    Acusações de superstição fazem parte das ferramentas utilizadas pelo atual presidente Xi Jinping para prender oficiais acusados de corrupção. Para Chen Xi, muitos líderes chineses "falharam moralmente".

    O líder do Departamento de Organização afirmou que certos políticos chineses perderam a fé no socialismo e admiram o Ocidente e seus conceitos de separação de poderes e sistemas multipartidários. Apesar de não ligar nenhum nome específico às acusações, Chen Xi citou em outras passagens do texto nomes como o ex-chefe de segurança doméstica Zhou Yongkang e o ex-dirigente partidário Sun Zhengcai. Eles foram classificados como "conspiradores políticos".

    Tags:
    Partido Comunista da China, Xi Jinping, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar