00:08 26 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Soldados norte-americanos e sul-coreanos durante os exercícicos na Coreia do Sul

    Quantas vidas vai custar uma invasão terrestre norte-americana da Coreia do Norte?

    © AP Photo / Ahn Young-joon
    Ásia e Oceania
    URL curta
    15203

    Em um relatório apresentado na Casa Branca, o Pentágono analisa o projeto que prevê a neutralização das armas nucleares da Coreia do Norte por meio de uma invasão terrestre, o que pode provocar a morte de milhares de pessoas na península da Coreia e nas regiões vizinhas.

    Segundo sublinhou Michael Dumont, vice-diretor do Estado-Maior Conjunto, o único meio de conter e neutralizar o arsenal norte-coreano é uma invasão terrestre, escreve o Tampa Bay Times citando o relatório especial.

    Este relatório foi elaborado a pedido do Congresso dos EUA, nomeadamente pelos democratas Ted Lieu e Ruben Gallego.

    "Não tínhamos ainda feito uma análise detalhada das possíveis perdas dos EUA ou dos seus aliados, o número de vítimas entre os civis ou planos para gerir a situação após um possível ataque, incluindo a continuidade do governo da Coreia do Sul", comunicaram os parlamentares no relatório. 

    Segundo o Pentágono, o número de vítimas no caso de uma invasão terrestre pode atingir milhares ou mesmo milhões de pessoas. Tais estimativas confirmaram os piores receios dos membros do Congresso, informa o The Washington Post

    "É algo sinistro. Devemos perceber o que significa a guerra. E isso não tinha sido muito bem explicado", indicou M. Lieu.

    Além disso, de acordo com o relatório, no caso de um conflito as autoridades norte-coreanas podem utilizar armas biológicas e químicas. 

    Mais:

    Conter o 'malandro': Coreia do Norte indica como pretende pressionar EUA
    Por que continuam caindo convertiplanos dos EUA e voando mísseis da Coreia do Norte?
    Tags:
    arsenal, análise, invasão, ataque, relatório, guerra, Congresso, Pentágono, Coreia do Norte, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar