03:26 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Henry Kissinger

    Kissinger: bomba nuclear norte-coreana pode levar a uma escalada atômica na Ásia

    © AFP 2019 / POOL / GERO BRELOER
    Ásia e Oceania
    URL curta
    2239
    Nos siga no

    O Leste da Ásia está se movendo em direção à proliferação nuclear, já que Seul e Tóquio procurarão ter seus próprios arsenais atômicos para lidar com a ameaça de Pyongyang, que não dá mostras de que um dia abandonará o seu programa.

    Esta foi a advertência dada pelo ex-secretário de Estado dos Estados Unidos e ex-assessor de segurança nacional, Henry Kissinger, em uma entrevista recente ao jornal The New York Times.

    Estrategista nuclear durante a Guerra Fria, Kissinger afirmou ter poucas dúvidas sobre para onde as coisas estão indo na região. O ex-diplomata dos EUA disse que se a Coreia do Norte "continuar a ter armas nucleares", estas "devem ser estendidas ao resto da Ásia".

    "Não será a Coreia do Norte ser o único país coreano do mundo que possui armas nucleares, sem que os sul-coreanos tentem se igualar", advertiu Kissinger.

    O ex-secretário de Estado estadunidense nas administrações dos presidentes Richard Nixon e Gerald Ford acrescentou ao jornal que "não se pode esperar que o Japão permaneça calmo".

    "Então estamos falando sobre a proliferação nuclear", ele resumiu.

    Reação em cadeia?

    As crescentes capacidades norte-coreanas forçam seus vizinhos a debater se eles precisam ter os seus próprios arsenais nucleares, observou o The New York Times. A publicação destacou que a Ásia é uma região onde "várias nações têm material, tecnologia, experiência e dinheiro para produzir armas nucleares".

    Na Coreia do Sul, as pesquisas mostram que 60% da população é a favor da construção de armas nucleares, e quase 70% querem os EUA reintroduzam armas nucleares táticas para uso no campo de batalha, as mesmas que foram removidas há um quarto de século.

    No Japão, a única nação que sofreu um ataque nuclear, atualmente há pouco apoio público para o desenvolvimento de armas nucleares. No entanto, muitos especialistas acreditam que esta situação poderia ser revertida rapidamente se Coreia do Norte e Coreia do Sul tivessem arsenais atômicos.

    Além da Coreia do Sul e do Japão, "já se fala" na Austrália, na Birmânia, em Taiwan e no Vietnã como nações nas quais se faz sentido discutir o desenvolvimento de armas nucleares se outros vizinhos se armarem.

    Tal situação suscita medos de que a Coreia do Norte possa desencadear uma reação em cadeia na qual uma nação após outra se sinta ameaçada e construa uma bomba atômica, concluiu The New York Times.

    Mais:

    'Vamos todos morrer': EUA avaliam baixas em uma possível guerra com Coreia do Norte
    Mídia: há motivos para Rússia, China e Coreia do Norte recearem bombardeiro B-21 dos EUA
    Provocação dos EUA: avião com 'radar de ataque' voa perto da Coreia do Norte
    Tags:
    proliferação nuclear, Tratado sobre a Não-Proliferação de Armas Nucleares (TNP), arsenal nuclear, bomba nuclear, bomba atômica, guerra nuclear, armas nucleares, diplomacia, Gerald Ford, Richard Nixon, Henry Kissinger, Birmânia, Estados Unidos, Pyongyang, Tóquio, Vietnã, Austrália, Seul, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Taiwan, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar