03:33 02 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 01
    Nos siga no

    O Ministério das Relações Exteriores indiano pediu ao Ministério do Desenvolvimento das Mulheres e Crianças para investigar uma possível negligência na adoção da menina indiana de três anos, Sherin Mathews, que há pouco foi encontrada morta em circunstâncias misteriosas perto de seu lar adotivo nos EUA.

    O seu pai adotivo foi acusado de assassinato e tentativas de se livrar do corpo.

    O suposto assassinato da menina indiana de três anos por seu pai adotivo nos EUA forçou o governo indiano a examinar novamente a rigorosidade dos procedimentos de adoção já que a menina foi adotada de um orfanato no estado indiano de Bihar.

    O ministro das Relações Exteriores da Índia, Sushma Swaraj, reagiu ao acidente pedindo ao Ministério do Desenvolvimento das Mulheres e Crianças para investigar o caso.

    ​O governo indiano também se direcionou ao cônsul geral em Houston,  Anupam Ray, para assegurar que o assassinato de Sherin Mathews seja investigado minuciosamente.

    ​O corpo da menina foi encontrado próximo a uma estrada depois do seu desaparecimento, em 7 de outubro.

    Sherin Mathews viveu no orfanato dirigido pelos missionários de caridade da Madre Teresa no bairro Nalanda em Bihar antes da adoção pelos cidadãos norte-americanos Wesley Mathews e Sini Mathewsem, em 8 de julho de 2016.

    No ano passado, o Tribunal Supremo da Índia se endereçou ao governo para a revisão do processo de adoção interpaíses depois das investigações terem revelado a existência de fraude na área da adoção internacional. O Tribunal Supremo também ordenou ao governo fazer um controle e vigilância mais rigorosos.

    Mais:

    Visita curta ao mundo: bebê 'alienígena' morre na Índia (VÍDEO CHOCANTE)
    Assim se vive na Índia: Trem 'inunda' passageiros de água
    Villa 31: onde pobreza e humilhação vivem lado a lado com dignidade
    Tags:
    assassinato, consulado, adoção, Supremo Tribunal, Índia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar