10:53 10 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    1380
    Nos siga no

    Há uma sensação de déjà vu. Já por várias vezes ouvimos do presidente norte-americano que seria ótimo estabelecer relações saudáveis com a Rússia. E eis que acontece o mesmo. Até parece que a degradação das relações entre dois países pode ser parada. Contudo, isso não é muito confiável.

    Donald Trump quer novamente fazer as pazes com Moscou. Há muito que não ouvimos esta expressão, que virou um sinal distintivo do candidato a presidente, e depois do líder eleito norte-americano, em seu raciocínio sobre a Rússia e os EUA. Vale recordar que Trump a usou por várias vezes, frisando que seria bom fazer as pazes com a Rússia e pessoalmente com Putin. Claro que ninguém lhe permitiu fazê-lo, já que todos os meios possíveis foram utilizados para o impedir. No fim das contas, Trump foi forçado a recuar.

    E aí aparece uma nova declaração, que ninguém esperava, ao que parece. Relações boas entre EUA e Rússia poderiam resolver o problema nuclear da Coreia do Norte, afirmou o líder norte-americano. De acordo com ele, "seria mais fácil regular a situação com a Coreia do Norte" caso os laços entre Moscou e Washington fossem mais fortes.

    Só que a esperança que Trump dá é muito fraca. Já que ele mesmo parece primeiro dar esta esperança e depois retirá-la. De acordo com o líder norte-americano, atualmente no assunto norte-coreano é a China que ajuda os EUA, a Rússia está seguindo outro rumo e aparentemente prejudica o bem coletivo.

    É verdade que Washington estabeleceu o diálogo com Pequim. Mas, ainda há pouco Trump acusava a China de completa falta de ações quanto à Coreia do Norte e até a ameaçava de sanções comerciais. Como é que a Rússia deve agir então para agradar os EUA? É difícil entender. A posição de Moscou é bem clara: os testes nucleares da Coreia do Norte é um fator desestabilizador para a segurança internacional, contudo, a pressão não levará a resultado nenhum, fazendo com que a única saída seja a realização de negociações e cedências mútuas. Além disso, há um plano russo-chinês rejeitado pelos EUA: a Coreia do Norte deveria terminar seus testes e lançamentos, e os EUA e a Coreia do Sul deveriam acabar com as manobras conjuntas que irritam Pyongyang. Além do mais, há pouco tempo Vladimir Putin assinou a lei que prevê a introdução de sanções contra a Coreia do Norte devido a seus testes.

    Que dizer, mais uma vez Moscou demonstrou que não apoia o regime norte-coreano, bem como tudo o que ele faz. Mas outros tentam culpá-la do contrário.

    Assim, Moscou é um participante ativo da resolução do problema norte-coreano. E as declarações de que ela prejudica de alguma forma são infundadas. A outra questão é que a própria Washington revela sua impotência: esta não é capaz de operar de modo eficaz no caso da Coreia do Norte. A pressão sobre Pyongyang é inútil, a operação militar é perigosa devido a uma potencial resposta. Nesse caso, os EUA têm uma opção já testada: envolver no processo outros países que também têm interesse que a situação nas fronteiras deles esteja tranquila. E, caso Donald Trump esteja agindo precisamente desse jeito, podemos constatar que ele, afinal, virou um verdadeiro político norte-americano, provando sua flexibilidade, capacidade de aprender e talento.

    Ilya Kharlamov para a Sputnik

    Mais:

    Coreia do Norte testa um novo motor de combustível sólido para mísseis, diz revista
    EUA impõem 'sanções mais severas da história' contra Coreia do Norte
    Ataque preventivo dos EUA não destruiria armas nucleares da Coreia do Norte, diz analista
    Tags:
    estratégia, Coreia do Norte, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar