11:34 25 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Mapa da península da Coreia

    China revida recado da Coreia do Norte: guerra nuclear não reflete interesses de ninguém

    © AP Photo / Lee Jin-man, File
    Ásia e Oceania
    URL curta
    793

    Uma guerra nuclear na península da Coreia não corresponde aos interesses de ninguém, as partes interessadas devem se esforçar mais para reduzir o nível de tensões na região, comunica o representante oficial da chancelaria chinesa, Lu Kang.

    Mais cedo, o representante permanente adjunto da Coreia do Norte (RPDC) para as Nações Unidas, Kim Em Ryong, avisou que "a situação na península coreana atingiu ponto crítico; uma guerra nuclear pode começar a qualquer momento".

    "Se houver tal situação, ela, consequentemente, não corresponde aos interesses de parte alguma. A parte chinesa segue esperando que todas as partes consigam, nas condições da situação já bastante complicada na península da Coreia, manter discrição", Kang comenta a declaração do diplomata norte-coreano.

    Ele destacou que a China também espera que todos os países em questão "continuem exercendo todos os esforços para avaliar as tensões na região, bem como para fazer todas as partes voltarem para o caminho de negociações, ao invés das provocações mútuas", sublinhou.

    A Coreia do Norte, apesar da pressão internacional, continua desenvolvendo seus programas nuclear e de mísseis. Em 3 de setembro, a Coreia do Norte declarou ter realizado um teste bem-sucedido de uma bomba de hidrogênio, destinada a equipar seus mísseis balísticos intercontinentais, cuja potência, de acordo com as estimativas, superou 10 vezes a das bombas atômicas lançadas em Hiroshima e Nagasaki em 1945. Uma semana mais cedo, a Coreia do Norte realizou testes de um míssil balístico que sobrevoou o território do Japão.

    Mesmo com agravamento de sanções, a Coreia do Norte continua realizando testes de mísseis. O último teste balístico da Coreia do Norte ocorreu em 15 de setembro, o míssil norte-coreano sobrevoou a ilha japonesa de Hokkaido e caiu no Pacífico sem quaisquer avisos preliminares por parte de Pyongyang.

    Mais:

    Armas nucleares submarinas da China: a ameaça nuclear mais perigosa do mundo?
    China possui em suas mãos 'calcanhar de Aquiles' da Defesa dos EUA
    Opinião: China e Rússia podem vir a neutralizar danos causados pela instalação do THAAD
    China: sistemas THAAD na Coreia do Sul prejudicam interesses de segurança da Rússia
    China 'empurra' EUA do mercado militar do Sudeste Asiático
    Tags:
    esforços, guerra nuclear, autodefesa, manobras navais, ameaça, perigo, situação, interesses, ONU, Ministério das Relações Exteriores da China, Kim In Ryong, Lu Kang, EUA, Península da Coreia, Coreia do Norte, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar