18:06 14 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    O pôr do Sol no Ártico

    Dragão de Neve: por que China está tão interessada em efetuar projetos no Ártico?

    © Sputnik / Aleksandr Liskin
    Ásia e Oceania
    URL curta
    5110
    Nos siga no

    As autoridades chinesas incluíram o Ártico na lista de prioridades do megaprojeto "Um Cinturão, uma Rota", Moscou assina uma série de acordos bilaterais com Pequim para desbravar a região, a China constrói o grande quebra-gelo Dragão de Neve-2. O que está provocando o interesse chinês no Ártico?

    Todos os eventos mencionados são uma demonstração clara de que a China, na verdade, está muito interessada em investir no Ártico. O colunista da Sputnik, Vladimir Ardaev, analisou a postura chinesa nesse contexto.

    Ir além do Círculo Polar

    Um dos fatores que revela o interesse crescente de Pequim pelo Ártico é seu trabalho ativo no que se trata de reforçar a frota nacional de quebra-gelos.

    "Até recentemente, a China só possuía quebra-gelos de pesquisa, sendo que o mais potente deles, o Dragão de Neve ("Xuelong"), de fato, era apenas um veículo de transporte da classe de gelo. Ainda em 1993, a China comprou à Ucrânia este navio de produção soviética da classe Ivan Papanin e o modernizou várias vezes. Ao longo dos últimos dois anos, sua frota do Norte recebeu outros dois quebra-gelos", escreve o autor.

    Hoje em dia, Pequim, junto com a empresa finlandesa Aker Arctic Technology, está construindo seu primeiro quebra-gelo da produção própria, o Dragão de Neve-2. Este será capaz de superar camadas de gelo até 1,5 metros de espessura à velocidade de 3 nós e navegar para trás, mesmo tendo menor deslocamento que seu antecessor.

    Um caça-bombardeiro americano F/A-18F Super Hornet sobrevoa o porta-aviões da Marinha dos EUA USS Gerald R. Ford, enquanto este testa seus novos sistemas EMALS e AAG no Atlântico
    © REUTERS / Marinha dos EUA/Erik Hildebrandt
    De acordo com o especialista em assuntos militares russo Vasily Kashin, de fato, este será o primeiro verdadeiro quebra-gelo polar ao dispor dos cientistas chineses. Planeja-se que o navio entre em serviço em 2019.

    Assim, Pequim está desenvolvendo as investigações científicas no Ártico e, por isso, uma frota de quebra-gelos é cada vez mais importante.

    "A China é bastante ativa nesse campo e tem 4 instalações de pesquisa no Ártico, inclusive duas que funcionam por todo o ano. É difícil efetuar tal atividade de pesquisas sem um quebra-gelo ártico", afirma.

    Mais curto e mais seguro

    O que tem o Ártico de interessante para a China? À primeira vista, a resposta é evidente: os recursos minerais, escreve Ardaev, pois nesta zona se localiza a quinta parte de todos os recursos na Terra.

    Porém, não é apenas isso, tanto mais que essa é uma perspectiva a longo prazo, uma vez que atualmente na exploração petroleira Pequim se baseia nas tecnologias estrangeiras — ou seja, simplesmente não tem experiência adequada nesta área.

    "Em um futuro próximo, a China considera o Ártico como um caminho mais curto e mais seguro que liga a China continental com a Europa", diz Ardaev. Ademais, tal projeto é mais promissor que os outros (como o Cinturão Econômico ou o Caminho Marítimo do Século XXI), pois as regiões que atravessa são muito mais calmas.

    Segundo disse à Sputnik China o diretor executivo do Instituto de Direito Polar e Política da Universidade Oceânica chinesa, Go Peiging, o lado econômico de tais projetos também é extremamente importante, pois os caminhos árticos ajudariam as empresas chinesas a economizar tempo e dinheiro para levarem seus produtos para a Europa.

    "Dado o processo de degelo no oceano Ártico, o Caminho Marítimo do Norte pode virar uma alternativa à maior via transcontinental, que atravessa os mares quentes da Eurásia e o canal de Suez. Deste modo, o percurso de um navio de carga de Xangai a Hamburgo através deste caminho é 2,8 mil milhas [4,5 mil km] mais curto que o caminho através do canal de Suez", assinala o autor.

    Projetos conjuntos

    Ademais, adianta Ardaev, o respectivo percurso atravessa as zonas onde se realizam projetos conjuntos russo-chineses, por exemplo, o Yamal SPG, que prevê a exploração de gás natural e a construção de uma fábrica para sua liquefação.

    "A parceria com a Rússia é prioritária para a China. Vemos o quão ativa é a realização do projeto de gás em Yamal, como é promissora a cooperação no âmbito do projeto rodoviário Belkomur desde Arkhangelsk através do mar Branco e da república de Comi até os Urais. Os maiores holdings chineses planejam investir nele. Não há dúvidas de que, no futuro, Arkhangelsk e Murmansk serão os maiores nós de transporte na Europa, ligando o caminho marítimo ártico, o Norte da Europa e as regiões do interior russo", explica o especialista chinês.

    Planeja-se que Pequim receba anualmente 20 navios-tanque com 3 milhões de toneladas de gás liquefeito produzido na região russa de Yamal.

    Ambições sob controle

    A China procura se fixar nos caminhos marítimos do Norte inclusive para realizar o seu objetivo ambicioso e mais global — diminuir a influência estratégica dos EUA em várias regiões do mundo.

    Para isso, ela também junta suas forças com Moscou para desbravar o Ártico, região que se torna em um ponto do novo "avanço estratégico" chinês.

    Nesse respeito, os territórios árticos bem podem ser utilizados pela China para resolver questões de caráter militar. O especialista Vasily Kashin relembra que anteriormente não só a Rússia e os EUA, mas também o Reino Unido e, talvez, até a França enviaram seus submarinos atômicos ao oceano Ártico, inclusive para efetuar lá operações militares.

    "O gelo do Ártico que colide todo o tempo cria um ruído constante que obstaculiza a deteção de submarinos através dos radares hidroacústicos. O uso de aviação antinavio é impossível por causa da camada de gelo, por isso os submersíveis nucleares que atuam no Ártico possuem grande vantagem no que se trata da furtividade", resumiu.

    Mais:

    Especialista explica o que significa o surgimento do caça J-20 para a China
    China está testando radar 'onividente'
    Como China comunista se torna o maior proprietário da União Europeia
    Para se manter igualada aos EUA, China cria maior drone de combate (FOTOS, VÍDEO)
    China aperta botão de início do novo reator nuclear construído com ajuda da Rússia
    Tags:
    rota marítima, quebra-gelo, exploração, petróleo, Ártico, China, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar