06:13 17 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    USS Tucson

    Mídia: presença de submarinos stealth dos EUA no Pacífico é um aviso para Pyongyang

    CC BY-SA 2.0 / Marion Doss / 020521-N-9885M-002
    Ásia e Oceania
    URL curta
    862

    Mesmo enquanto os bombardeiros B-1B da Força Aérea dos EUA estão treinando com as forças aéreas do Japão e da Coreia do Sul, os submarinos nucleares de ataque, dotados de mísseis de cruzeiro, se escondem debaixo das ondas, prontos a agir, informa o The National Interest.

    Enquanto os submarinos militares norte-americanos ficam normalmente ocultos da visão, a Marinha dos EUA permitiu recentemente que o USS Tucson (SSN-668) visitasse as atividades da frota dos EUA Chinhae na Coreia do Sul em 7 de outubro.

    "As relações entre EUA e Coreia são muito importantes e a nossa visita a Chinhae nos dá oportunidade para reforçar as relações importantes que existem entre os EUA e a República da Coreia", comunicou o comandante do submarino USS Tucson Chad Hardt.

    A visita do Tucson é um sinal para a Coreia do Norte de que, enquanto Pyongyang pode nem sempre ser capaz de ver as forças norte-americanas, os EUA podem deslocar um número grande de armas de longo alcance e alta precisão que podem agir imediatamente em caso de necessidade, aponta o autor Dave Majumdar no seu artigo no The National Interest.

    Além disso, a visita do Tucson surgiu para mostrar que os EUA estão prontos a defender os seus aliados na região e não vão abandoná-los.

    O Tucson não é um modelo topo de gama da classe Seawolf (de que só três foram construídos devido a seus custos enormes) ou da nova classe Virginia (de que só 15 foram construídos), mas um navio da classe Los Angeles que compõe a maior parte da frota de submarinos nucleares norte-americana, com um total de 52 SSN. São os burros de carga da frota.

    O submarino modernizado Tucson recebeu 12 módulos de lançamento vertical de mísseis de cruzeiro Tomahawk. Aparentemente, dos muitos meios militares norte-americanos disponíveis, os submarinos podem lançar os seus mísseis de cruzeiro praticamente a qualquer hora e sem qualquer aviso prévio.

    Assim, de acordo com o autor, uma arma como um submarino de ataque pode confundir o inimigo, que não vai perceber de que direção serão lançados os mísseis.

    No caso da Coreia do Norte, a presença do Tucson nas águas da península de Coreia surge como uma ameaça para Pyongyang.

    Mais:

    EUA enviam mais um submarino para o Japão
    O mais rápido e o mais silencioso: EUA apresentam novo submarino
    Tags:
    ameaça, capacidade militar, provocação, reforço, tensões, defesa, submarino nuclear, Península da Coreia, Coreia do Norte, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik