06:42 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Ministro de Relações Exteriores do Paquistão, Khawaja Asif, ao lado do secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, em encontro em Washington

    Paquistão diz que EUA fracassaram no Afeganistão e se nega a ser 'bode expiatório'

    © REUTERS / Yuri Gripas
    Ásia e Oceania
    URL curta
    4101
    Nos siga no

    Os Estados Unidos estão fugindo da responsabilidade por seu próprio fracasso no Afeganistão, continuando a acusar o Paquistão de prover refúgios para terroristas, disse o ministro de Relações Exteriores do Paquistão, Khawaja Asif, em declarações no Instituto de Paz dos EUA nesta quinta-feira.

    "Vejamos esse conflito na sua totalidade, em sua totalidade", disse Asif. "Não busque apenas a culpa, retire o Paquistão, trate-nos como um bode expiatório. Isso não é aceitável".

    Asif citou bilhões de dólares americanos que desapareceram devido à corrupção em Cabul, informações de forças apoiadas pelos EUA que vendem armas para os talibãs, uma explosão de produção de ópio em mais de 3.000%, e a chegada de militantes do grupo terrorista do Daesh no Afeganistão, todas situações que refletem o fracasso de Washington em 15 anos de guerra.

    "Nós não compartilhamos a responsabilidade por esses crimes", disse Asif.

    O secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, disse anteriormente ao Congresso que o Paquistão teria uma última chance de cooperar com os Estados Unidos na guerra contra o terrorismo.

    Na quarta-feira, o secretário de Estado no país, Rex Tillerson, após uma reunião com a Asif, disse que há uma oportunidade para os Estados Unidos e o Paquistão fortalecer as relações bilaterais.

    Em agosto, o presidente dos EUA, Donald Trump, revelou sua nova estratégia afegã, que incluiu o envio de mais 3.000 soldados e afrouxando as regras de envolvimento em ataques aéreos contra militantes.

    Trump também acusou o Paquistão de abrigar grupos terroristas, enquanto autoridades norte-americanas pediram repetidamente a Islamabad que intensifique seus esforços para reprimir os santuários terroristas.

    Mais:

    Índia chama Paquistão de 'Terroristão' em discurso na ONU
    Não seremos 'bode expiatório de ninguém', diz primeiro-ministro do Paquistão na ONU
    Paquistão: homem é condenado à morte por mensagem no WhatssApp
    Tags:
    relações bilaterais, diplomacia, guerra, terrorismo, ISI, Daesh, Talibã, Khawaja Asif, Rex Tillerson, James Mattis, Donald Trump, Estados Unidos, Paquistão, Afeganistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar