07:57 15 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Soldados sul-coreanos observam transmissão de lançamento de um míssil norte-coreano

    Que desafios essenciais enfrenta Seul além da ameaça nuclear de Pyongyang?

    © AP Photo / Ahn Young-joon
    Ásia e Oceania
    URL curta
    100
    Nos siga no

    Analista político sul-coreano diz que a Coreia do Sul deve se concentrar em mais desafios do que apenas o da Coreia do Norte, informa o South China Morning Post (SCMP).

    De acordo com o professor de economia e diretor do Instituto de Pesquisas Asiáticas na Universidade de Coreia Lee Jong-Wha, a Coreia do Sul deve se concentrar na questão da sua fraqueza econômica e no reforço das relações com China e EUA, expressa o SCMP.

    De acordo com ele, hoje em dia o país é assolado por rápido envelhecimento da população, mercado laboral pouco eficiente, fraqueza institucional e baixa produtividade no setor de serviços.

    Lee Jong-Wha aponta também que externamente a Coreia do Sul é extremamente vulnerável à ameaça nuclear da Coreia do Norte. Os EUA estão agora tentando pressionar a China para que reduza essa ameaça. A China, por sua vez, concordou em reforçar as sanções econômicas, mas não quer a queda do regime, acha o analista sul-coreano.

    Além disso, informa ele, a China exortou os EUA que retirem seus sistemas de defesa antimíssil da Coreia do Sul e pressionou economicamente Seul, sendo um parceiro importante para o país (25% das exportações da Coreia do Sul se destinam para a China).

    Assim, Seul ficou entre a espada e a parede. Arrisca piorar as relações com os EUA ou com a China no caso de dar qualquer passo errado.

    Agora a Coreia do Sul está considerando o desenvolvimento do seu próprio arsenal nuclear ou o regresso das bombas nucleares norte-americanas. Qualquer dessas opções vai antagonizar a China, considera Lee Jong-Wha.

    De acordo com o analista, a Coreia do Sul precisa hoje de acelerar as reformas estruturais internas para aumentar a produtividade, modernizar as instituições e criar um ambiente comercial com modernas indústrias de serviços e inovação. Isso, por sua vez, significa o reforço dos laços econômicos com os EUA e a China.

    Mais:

    Assange sobre THAAD: Coreia do Sul é a Cuba da China
    Coreia do Sul vai tentar convencer EUA para apontar THAAD para norte para acalmar China
    Tags:
    reforma, riscos, política, relações comerciais, economia, ataque nuclear, ameaça, China, EUA, Coreia do Norte, Coreia do Sul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar