20:46 18 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Estudantes norte-coreanos durante as protestas contra os EUA

    Depois de ameaçados, 4,7 milhões de norte-coreanos manifestam prontidão para lidar com EUA

    © REUTERS / KCNA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    59335

    Cerca de 4.7 milhões de estudantes e trabalhadores da Coreia do Norte se ofereceram como voluntários para se alistar no exército desde que o líder do país, Kim Jong-un, ameaçou com represálias os EUA na semana passada.

    Durante os últimos seis dias, milhões de jovens, incluindo 1,2 milhão de mulheres voluntárias, decidiram se alistar no exército para proteger seu país da ameaça norte-americana, informa o jornal do Partido dos Trabalhadores da Coreia, Rodong Sinmun.

    Em 22 de setembro, Kim Jong-un tomou medidas de resposta a "nível mais alto" contra o presidente dos EUA, Donald Trump, que ameaçou "destruir completamente a Coreia do Norte", caso sejam obrigados a defender seus aliados e si próprios.

    A situação na península da Coreia se agravou devido aos recentes lançamentos de mísseis de Pyongyang e testes nucleares, todos conduzidos em discordância com as resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

    O teste mais recente foi realizado no dia 15 de setembro, quando a Coreia do Norte lançou um míssil balístico que sobrevoou o Japão antes de cair no oceano Pacífico, cerca de 20 minutos após o lançamento.

    Mais:

    Califórnia se prepara para um ataque nuclear da Coreia do Norte
    Coreia do Norte poderia derrubar aviões dos EUA?
    Rússia verá qualquer ataque dos EUA contra Coreia do Norte como ameaça à sua segurança
    Coreia do Norte procura especialista em Trump
    Guerra contra Coreia do Norte custaria 20 mil vidas por dia, diz general dos EUA
    EUA: general diz que Coreia do Norte tem capacidade de atacar e pede atenção com a Rússia
    Tags:
    trabalhadores, estudantes, voluntários, recrutamento, proteção, mulheres, jovens, ameaça, guerra, Exército da Coreia do Norte, Donald Trump, Kim Jong-un, Coreia do Norte, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar