01:05 18 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Kim Jong-un com militares norte-coreanos

    Coreia do Norte ameaça EUA com 'ataque nuclear terrível e colapso miserável e final'

    © REUTERS/ KCNA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    1654712

    A Coreia do Norte ameaça de novo os EUA acrescentando que está pronta para "destruir as bases do inimigo" com um ataque preventivo se eles mostrarem "qualquer pequeno sinal de provocação".

    "A Coreia do Norte, que se tornou o país nuclear mais potente apesar das dificuldades e desafios sem precedentes, não tem medo das sanções, da pressão e da guerra", declararam as autoridades norte-coreanas citadas pela agência KCNA. 

    Pyongyang diz estar pronta para "destruir as bases inimigas com um ataque preventivo e resoluto", informa o RT citando a publicação da agência central norte-coreana.

    "Se os EUA optarem pela confrontação…enfrentarão um ataque nuclear terrível e um colapso miserável e final", afirma Pyongyang. 

    De acordo com a KCNA, a Coreia do Norte teve acesso a tudo e obteve tudo o que podia apesar das sanções e do bloqueio por parte das forças hostis. 

    Anteriormente na terça (19) o presidente norte-americano Donald Trump, falando perante a ONU, havia ameaçado Pyongyang da "destruição total" no caso de um ataque aos EUA ou aos seus aliados. 

    "Podemos não ter outra opção que não seja destruir totalmente a Coreia do Norte", disse Trump, apelidando o líder norte-coreano Kim Jong-un de "homem-foguete" em missão suicida. 

    No mesmo dia, o secretário de Defesa norte-americano James Mattis comunicou que Washington e Seul estavam "discutindo a opção" de instalação de mísseis nucleares na Coreia do Sul. 

    Mais:

    Ameaças à Coreia do Norte sinalizam 'beco sem saída' aos EUA, diz parlamentar russo
    EUA não querem colapso da Coreia do Norte, mas ainda estão considerando 'opções militares'
    Tags:
    tensões, ataque preventivo, declaração, política, ameaça, sanções, KCNA, Donald Trump, Coreia do Norte, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik