01:26 22 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Militares são vistos em cima de um blindado durante festejos do 105 aniversário de Kim Il-sung

    Opinião: ameaças da Coreia do Norte aos EUA às vezes parecem poesia

    © Sputnik/ Ilia Pitalev
    Ásia e Oceania
    URL curta
    24216540

    A Coreia do Norte prometeu aos EUA "dor e sofrimentos" caso estes introduzam novas sanções. O especialista em ciências políticas Pavel Svyatenkov, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, qualificou essas declarações de simples retórica.

    Pyongyang considera que as sanções e a pressão por parte dos EUA estão entrando numa "fase extremamente imprudente" e adverte que o país está pronto para tomar medidas sem precedentes. É isso que se lê no comunicado do Ministério das Relações Exteriores norte-coreano publicado no site da Agência Central de Notícias da Coreia (ACNC).

    Segundo a Coreia do Norte, os EUA manipulam o Conselho da Segurança da ONU visando endurecer as sanções contra Pyongyang devido aos testes da carga de hidrogênio.

    O Ministério das Relações Exteriores do país afirmou que, "a arma superpotente de hidrogênio" foi elaborada a fim de conter as crescentes ações inimigas por parte de Washington, bem como para evitar a guerra nuclear na península da Coreia.

    Pyongyang frisou também que está observando atentamente as ações dos EUA e está pronto a lhes responder. "As próximas medidas que a República Popular Democrática da Coreia vai tomar vão causar aos EUA a maior dor e sofrimento pelos quais eles nunca passaram em toda a sua história", se lê no comunicado.

    Pyongyang acrescentou também que, caso os EUA desejem evitar a destruição completa, estes devem cessar sua confrontação política, econômica e militar com a Coreia do Norte.

    Em 3 de setembro, a Coreia do Norte declarou ter realizado um teste bem-sucedido de uma bomba de hidrogênio destinada aos mísseis balísticos intercontinentais. Anteriormente, Pyongyang realizou o lançamento de um míssil balístico que sobrevoou o território do Japão.

    Como resposta, os EUA pretendam apresentar ao Conselho de Segurança da ONU um projeto de sanções à Coreia do Norte. Washington propõe introduzir um embargo petroleiro, proibir a compra de têxteis norte-coreanos e limitar as possibilidades de emprego para os cidadãos do país no estrangeiro. Além disso, está previsto congelar os ativos do líder norte-coreano, Kim Jong-un, dos membros de seu governo e da companhia aérea Air Koryo.

    O especialista em ciências políticas, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, opinou que a reação das autoridades norte-coreanas é apenas retórica.

    "Para as autoridades norte-coreanas é típico usar expressões pomposas, por isso suas ameaças às vezes se parecem surpreendentemente a uma poesia. Mas eu não acho que a Coreia do Norte ataque realmente os EUA. Isso iniciaria uma guerra, operações militares diretas em que Pyongyang obviamente vai perder ou sofrer danos muito graves. Assim, um ataque direto aos EUA não iria beneficiar as autoridades norte-coreanas, mas a retórica é boa para consumo interno", frisou Pavel Svyatenkov.

    De acordo com ele, caso a Coreia do Norte continue de seu jeito, não tem como evitar o agravamento da situação. Mas isso não é benéfico para o maior aliado da Coreia do Norte, a China, que vai tentar fazer baixar o tom das declarações de Pyongyang.

    Quanto às sanções, o especialista considera sua aprovação como uma grande questão.

    "É preciso a Rússia e a China votem a favor, porque muito vai depender da posição delas. Já que essas medidas afetarão da forma negativa o comércio entre a China e a Coreia do Norte, é duvidoso que a China concorde", sublinhou Svyatenkov.

    Mais:

    Como aniversário da Coreia do Norte pode virar uma catástrofe para todo o mundo
    Japão e EUA realizam manobras, preparando-se para novos testes da Coreia do Norte
    México expulsa embaixador da Coreia do Norte
    Tags:
    poesia, ameaça, Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, Pyongyang, Coreia do Norte, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik