16:35 21 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Desfile militar na China (foto de arquivo)

    China explica por que resolveu treinar seu poderio militar perto da península da Coreia

    © AP Photo / Pang Xinglei/Xinhua
    Ásia e Oceania
    URL curta
    23384

    Os treinamentos militares da China, realizados na baía de Bohai, região próxima à península da Coreia, foram realizados conforme planejado e não eram orientados contra outros países, comunicou o Ministério da Defesa da China.

    "Trata-se de treinamentos previstos, realizados de acordo com o gráfico anual para fortalecer a capacidade militar de nossas forças", lê-se no comunicado do ministério, publicado em sua conta oficial no aplicativo WeChat – análogo do Telegram. 

    Os treinamentos, realizados em 5 de setembro, atraíram a atenção da mídia devido às recentes ações da Coreia do Norte. Porém, o Ministério da Defesa da China frisou que os exercícios "não eram orientados contra outros países ou posições particulares". 

    Uma semana atrás, a Coreia do Norte realizou testes do míssil balístico que sobrevoou o Japão. Em 3 de setembro, a Coreia do Norte declarou ter realizado um teste bem-sucedido de uma bomba de hidrogênio para equipar mísseis balísticos intercontinentais.

    Os militares do Japão e da Coreia do Sul avaliam que a potência da carga testada atingiu de 100 a 160 quilotons, ou seja, trata-se de uma bomba muito mais poderosa do que as bombas atômicas que devastaram as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki em 1945. O Conselho de Segurança da ONU está discutindo o projeto de uma nova resolução, proposta pelos EUA, que prevê o endurecimento das sanções contra Pyongyang.

    Mais:

    Motores de foguetes e sistemas de navegação: Rússia e China pretendem conquistar o espaço
    Líderes da China e Índia acordam assegurar paz na fronteira
    China fará aporte de US$ 500 milhões para a cooperação Sul-Sul, diz Xi Jinping
    Tags:
    crise coreana, treinamento, Ministério da Defesa da China, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik