02:03 24 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Dois sistemas de THAAD são lançados durante um teste de interceptação bem sucedido.

    Oposição sul-coreana pressiona para que país adquira armas nucleares

    © flickr.com/ Agência de Defesa contra Mísseis (ADM) dos EUA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    1693039

    Os partidos opositores ao presidente sul-coreano Moon Jae-in aumentaram o tom crítico contra ele nesta semana, após o mais recente teste nuclear da Coreia do Norte. Para eles, é o momento de Seul buscar o seu próprio armamento nuclear.

    De acordo com a oposição, Moon está sendo “ingênuo” em sua estratégia em relação ao governo de Kim Jong-un – a Coreia do Sul defende a abertura de diálogo com Pyongyang, ao invés da política da gestão anterior, que não apostava em soluções diplomáticas.

    Para os opositores sul-coreanos, é preciso que Seul passe sim a considerar alternativas militares para se defender da ameaça norte-coreana, algo que Moon e o seu gabinete não parecem dispostos a fazer, pelo menos enquanto a saída diplomática não for esgotada.

    Para o Partido da Liberdade da Coreia (LPK, na sigla em inglês) – de perfil conservador, e da ex-presidente Park Geun-hye, que foi alvo de impeachment –, a Coreia do Sul deveria adotar armas nucleares dos Estados Unidos e aumentar a presença do sistema de defesa antiaérea THAAD, que está sendo alvo de questionamentos pela atual administração.

    "A Coreia do Sul deveria operar os sistemas THAAD agora mesmo. A nação deve iniciar negociações para redistribuir armas nucleares táticas e submarinos de energia nuclear, implementar permanentemente armas estratégicas dos EUA na península e cortar completamente o abastecimento de petróleo da China para o Norte", afirmou o líder do LKP, Chung Woo-taik, ao jornal Korea Herald.

    Outro líder do LKP, Hong Joon-pyo, chamou o atual governo de Moon de “inexperiente”, sobretudo o Chefe de Gabinete e a ministra de Relações Exteriores. "O presidente deveria abandonar amadores de esquerda no gabinete rapidamente e organizar uma equipe profissional", avaliou.

    Já o alvo da minoria do Partido Bareun foi a liderança dos governistas do Partido Democrático da Coreia (DPK, na sigla em inglês), Choo Mi-ae. Repetindo as palavras do presidente Moon, ela prega o diálogo e uma solução pacífica para a crise na península.

    "Suas observações mostram que o campo no governo não tem outra ideia além do diálogo", disse o porta-voz do Partido Bareun, Park Jeong-ha.

    O Partido do Povo juntou-se à crítica da oposição. "O governo deve olhar a realidade diretamente por incompetência e ilusão", disse o presidente do partido, Ahn Cheol-soo, na última segunda-feira.

    O atual governo sul-coreano admitiu no mês passado a retomada de estudos quanto à aquisição de um submarino nuclear. Demais medidas estão descartadas, pois seriam um retrocesso no discurso diplomático que busca uma solução para a crise com os norte-coreanos.

    Para especialistas, uma corrida armamentista nuclear por parte de Seul poderia ter um efeito contrário, fazendo com que Pyongyang aumentasse a agressividade de suas provocações – com resultados difíceis de prever.

    Por ora, o que a Coreia do Sul obteve foi a autorização do presidente dos EUA, Donald Trump, para uma compra bilionária de novas armas. Na área diplomática, o governo sul-coreano segue apoiando novas sanções contra Pyongyang, pleiteando ainda uma maior colaboração de China e Rússia para trazer Kim Jong-un para a mesa de negociações.

    Mais:

    'Que os EUA não esqueçam que temos a Bomba H', diz Coreia do Norte antes de sanções
    Especialista explica por que EUA não iniciarão guerra contra Coreia do Norte
    Coreia do Norte promete mais 'presentes' aos EUA
    Tags:
    thaad, submarino nuclear, armas nucleares, política, diplomacia, Partido do Povo, Partido Bareun, Partido da Liberdade da Coreia, Ahn Cheol-soo, Park Jeong-ha, Choo Mi-ae, Hong Joon-pyo, Chung Woo-taik, Park Geun-hye, Moon Jae-in, Estados Unidos, Península da Coreia, Coreia do Norte, Coreia do Sul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik