04:07 20 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Explosão nuclear

    Ex-ministro alemão: retórica de Trump contra Coreia do Norte e Irã aumenta risco nuclear

    CC BY 2.0 / Maxwell Hamilton / Nuclear Explosion Fantasy
    Ásia e Oceania
    URL curta
    37313632

    Em artigo publicado no site Project Syndicate, o ex-ministro de Relações Exteriores da Alemanha, Joschka Fischer, afirmou que o mundo vive um "novo perigo nuclear", o que se deve em boa parte à retórica do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que vem usando discursos agressivos contra a Coreia do Norte e o Irã.

    De acordo com Fischer, que integrou o gabinete do ex-primeiro ministro Gerhard Schröder entre 1998 e 2005, o fim da Guerra Fria significou que “o risco de superpotências nucleares desencadearem o Armagedom” era praticamente nulo. Contudo, tal realidade já não pode ser encarada da mesma forma na atualidade.

    "Hoje, o maior perigo é que um número crescente de países pequenos, governados por regimes instáveis ou ditatoriais, tentará adquirir armas nucleares. Ao se tornar uma potência nuclear, tais regimes podem garantir sua própria sobrevivência, promover seus interesses geopolíticos locais ou regionais e até mesmo prosseguir uma agenda expansionista", avaliou.

    Ao liberar as suas emoções e "não se manter na racionalidade da dissuasão", Trump vai no sentido oposto ao que se deveria buscar, tanto no caso do programa nuclear norte-coreano, quanto nas ameaças de romper o acordo nuclear firmado com o Irã. "Se a proliferação nuclear aumentar, o limiar para o uso de armas nucleares provavelmente cairá", continuou Fischer.

    O ex-ministro alemão reprovou qualquer tentativa de responder com "fogo e fúria", como fez Trump, a qualquer provocação vinda de Pyongyang. Um ataque preventivo, de acordo com Fischer, apenas levaria a uma confrontação com a China, destruiria a Coreia do Sul, e causaria danos incalculáveis ao Japão – os dois últimos países são aliados dos EUA na Ásia.

    "E, porque o triângulo China-Coreia do Sul-Japão se tornou o novo centro de poder da economia global do século XXI, nenhum país seria poupado das consequências econômicas. Mesmo que os EUA continuem a aludir à possibilidade de guerra, os líderes militares americanos sabem que o uso da força militar não é realmente uma opção viável, dado seus custos e riscos proibitivamente elevados", emendou.

    Risco iraniano

    Os riscos mais realistas não param aí. O plano do líder norte-coreano Kim Jong-un é ser reconhecido pela comunidade internacional como uma potência nuclear. O efeito disso, se alcançado, seria levar a uma corrida de Seul e Tóquio para possuírem os seus próprios arsenais nucleares. Seria mais instabilidade em um cenário político mundial já instável.

    Fischer reforçou que muitos dos próximos capítulos passam, inevitavelmente, pelo governo Trump, que vem fomentando instabilidade dentro dos EUA. "Se os EUA não podem mais ser considerados para garantir paz e estabilidade mundiais, então nenhum país pode. Seremos deixados com um vácuo de liderança, e em lugar algum isso é mais perigoso do que com respeito à proliferação nuclear".

    Assim, a crise com a Coreia do Norte expõe o que não deve ser feito por líderes mundiais, caso a intenção seja evitar um conflito nuclear, insistiu Fischer. O ex-ministro alemão explicou que deve se evitar uma nova crise nuclear, agora com Teerã, o que poderia levar a uma guerra perigosa no Oriente Médio, já envolto em outros eventos militares.

    "As ameaças nucleares de hoje exigem exatamente o oposto do 'fogo e fúria'. O que é necessário é a cabeça nivelada, a racionalidade e a diplomacia paciente que não se baseia em perigosas e fantásticas ameaças de força. Se a última superpotência abandona essas virtudes, o mundo — todos nós — terá que enfrentar as consequências", concluiu.

    Mais:

    Coreia do Sul pede apoio da América Latina contra provocações da Coreia do Norte
    Conflito militar na Coreia mesmo sem armas nucleares pode tornar Sul em deserto
    Kim Jong-un avisa: Coreia do Norte lançará mais mísseis contra alvos no Pacífico
    Tags:
    diplomacia, defesa, segurança, corrida nuclear, armas nucleares, acordo nuclear, Joschka Fischer, Kim Jong-un, Donald Trump, Japão, Coreia do Sul, China, Irã, Coreia do Norte, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik