03:11 16 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Míssil balístico de longo alcance Agni-V durante desfile militar em Nova Deli, Índia

    Qual é o país que pode se unir à Índia para desafiar a China na Ásia?

    © AP Photo/ Manish Swarup
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Conflito na fronteira entre Índia e China (16)
    31510

    Em tempos de fortes tensões fronteiriças entre China e Índia, um país do Sudeste asiático pode se unir a Nova Délh na disputa com Pequim, de acordo com um professor do King’s College de Londres.

    Na opinião de Harsh V. Pant, o Vietnã pode vir a cooperar com os indianos, a fim de "desafiar os chineses" para "um equilíbrio de poderes" na região. Uma sinalização de que o governo da Índia já atua na "retaguarda" chinesa foi dado em 2016.

    Antes da cúpula do G20 que aconteceu naquele ano na China, o primeiro-ministro indiano Narendra Modi visitou Hanói. Foi a primeira viagem de um premiê da Índia ao país asiático em 15 anos, o que, segundo Pant, "deixou claro que Nova Délhi já não vacila na hora de expandir a sua presença na periferia da China".

    "[A Índia] deseja desempenhar um papel mais firme na região Indo-Pacífica", emendou o professor.

    A relação entre vietnamitas e indianos só aumentou nos últimos meses, sobretudo com o anúncio de que o Vietnã comprou mísseis supersônicos de cruzeiro de curto alcance BrahMos. A Índia negou a informação, mas também não deu detalhes.

    Hanói buscava comprar o armamento desde 2011, mas foi só em 2016 que o governo indiano acionou a BrahMos Aerospace, uma empresa binacional (conta com participação russa e indiana) que produz os mísseis, para que liberasse a sua venda para outros países. Uma linha de crédito de US$ 100 milhões foi colocada para que o Vietnã pudesse adquirir as armas.

    Para o especialista da King’s College, não resta dúvida que "os dois países estreitaram relações nos últimos anos" e que, para a Índia, ter um aliado no Vietnã significa possuir um novo "ponto de pressão" contra a China, uma vez que ambos estão preocupados com o acesso chinês ao Oceano Índico e ao mar da China Meridional.

    Enfrentamentos

    A cooperação entre Índia e Vietnã já se dá no campo defensivo, com o auxílio indiano na manutenção de plataformas defensivas vietnamitas, a fim de defender rotas marítimas na região. É uma causa que o governo indiano abraçou em outubro de 2011, quando os dois países firmaram um acordo para exploração petroleira, mesmo diante dos protestos de Pequim.

    De acordo com Pant, a ajuda indiana vai além, com Nova Délhi bancando até mesmo o ensino da língua inglesa aos oficiais de Hanói. Outro ponto que os dois países contam contra a China é um aliado comum: os Estados Unidos.

    O especialista relembrou ainda que, após ganhar a curta guerra com a China em 1979, o Vietnã "manteve a cautela" a respeito do "crescente poder econômico e militar de Pequim". Por isso, alguns na Índia encaram Hanói como “um contrapeso”, tal como é o Paquistão (rival dos indianos) para a China.

    Isso motivou que "Hanói gradualmente se torne o eixo do movimento indiano oriental" e abriu a opção de que, se "Pequim quer expandir sua presença no sul da Ásia e na região do Oceano Índico", Nova Déhli pode "fazer o mesmo na Ásia Oriental” ou se a China tem "cooperação estratégica com o Paquistão e ignora as preocupações da Índia", esse país tem a opção de "desenvolver laços fortes" com os estados da periferia da China.

    No momento, "esta posição é bem vista" por países que "temem a crescente agressão da China", concluiu Pant.

    Tema:
    Conflito na fronteira entre Índia e China (16)

    Mais:

    Índia tropeça no próprio pé, ou como a China trata da questão das fronteiras
    'Apartheid' oculto: horrores da vida das castas 'intocáveis' na Índia não param
    Quem tem algo a ganhar com uma guerra entre China e Índia na Ásia?
    Tags:
    mísseis supersônicos, guerra, relações bilaterais, política, diplomacia, BrahMos Aerospace, King's College, Narendra Modi, Harsh V. Pant, Nova Délhi, Índia, Hanói, Vietnã, Pequim, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik