19:06 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Xi Jinping após pousar em Moscou, em 4 de julho de 2017

    Que vai fazer a China em caso de conflito militar entre EUA e Coreia do Norte?

    © Sputnik/ Vitaly Belousov
    Ásia e Oceania
    URL curta
    6137792539

    A China reagiu de forma bastante dura às ameaças recíprocas do presidente dos EUA e do líder da Coreia do Norte.

    O influente jornal chinês Global Times deu a entender em seu editorial que Pyongyang não deve contar com ajuda da China caso a Coreia do Norte seja a primeira a desencadear um conflito militar com os EUA. A Coreia do Sul e os EUA também foram advertidos: a China não vai permitir a mudança do regime político na Coreia do Norte.

    A publicação do Global Times surgiu depois que Donald Trump afirmou que a Coreia do Norte "vai receber fogo e fúria como o mundo nunca viu".

    As declarações de Donald Trump provocaram uma resposta quase imediata de Pyongyang. Horas depois, o governo de Kim Jong-un anunciou um plano para atacar com mísseis balísticos a ilha de Guam, onde se encontram estruturas militares dos EUA, e depois a base aérea de Andersen na mesma região, que acolhe os bombardeiros estratégicos B-52.

    O chefe do Centro de Estudos do Nordeste Asiático da Universidade chinesa de Jilin, Ba Dianjun, lembrou em uma entrevista à Sputnik China que os chineses têm a obrigação de ajudar a Coreia do Norte caso aconteça uma agressão contra este país.

    Mas o acordo de amizade, cooperação e ajuda recíproca entre a China e a Coreia do Norte não será acionado caso seja a Coreia do Norte a iniciar um conflito.

    Os países grandes e influentes, como a China e a Rússia, são, sem dúvida, contra o início de qualquer conflito aberto em torno da Coreia do Norte, porque ele vai afetar toda a região. O especialista assinala que tal posição da China e da Rússia não significa que os dois países sejam "padrinhos" da Coreia do Norte, eles simplesmente não aprovam a agressão militar dos EUA.

    O especialista Konstantin Asmolov, do Instituto do Oriente Médio, considera que a matéria em questão do Global Times expressou a posição da China: Pequim "irá punir todos que agravarem a tensão na península Coreana".

    "Os EUA não devem contar que sua tentativa de lidar com a Coreia do Norte decorra à semelhança do roteiro iraquiano", disse o especialista, porque a China não permitirá a mudança do regime norte-coreano.

    "O que agora está acontecendo na mídia norte-americana é semelhante aos acontecimentos que precederam a guerra no Iraque. A guerra começou com o lema de que os EUA devem levar a democracia para o povo iraquiano", disse o especialista, acrescentando que naquela altura "o tirano sangrento" era Saddam Hussein, que alegadamente teria armas químicas. O mesmo roteiro parece já ter sido preparado para a Coreia do Norte.

    Mais:

    'Não, esta é a Sibéria': americanos tentam localizar a Coreia do Norte em um mapa (VÍDEOS)
    EUA pedem ao Reino Unido envio de avião para detectar alvos nucleares na Coreia do Norte
    'Rússia não aceita uma Coreia do Norte nuclear', diz Lavrov
    Tags:
    tensão, negociações, guerra, Donald Trump, Kim Jong-un, Xi Jinping, Coreia do Sul, Coreia do Norte, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik