16:00 20 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Moedas e notas de yuan chinês em torno de um dólar norte-americano

    Como os EUA chantageiam a China

    © AP Photo/ EyePress, FILE
    Ásia e Oceania
    URL curta
    212705312

    O orientalista russo Aleksandr Vorontsov, na sua entrevista à Sputnik China, chamou de "chantagem" o adiamento dos EUA da aplicação das sanções definidas contra os bancos chineses após a China ter apoiado a resolução do Conselho de Segurança da ONU que impõe novas sanções contra a Coreia do Norte.

    Segundo divulgaram à agencia Reuters fontes oficiais anônimas nos EUA, além de ser adiada a implementação das sanções, foi suspensa a propagandeada investigação às violações dos direitos de propriedade intelectual pela China, que devia ter sido anunciada na sexta-feira passada pela administração Trump.

    De acordo com os funcionários públicos e diplomatas norte-americanos, foi exatamente a ameaça das sanções dos EUA contra a China que acabou dissuadindo os chineses de impedir que o novo pacote de sanções fosse aplicado contra a Coreia do Norte.

    Todavia, o especialista do Centro de Estudos da Ásia-Pacífico e da Estratégia Global Wang Jinsheng acredita que essa tese não corresponde aos fatos.

    "A China, sendo uma grande potência e presidindo ao Conselho de Segurança da ONU, não pode fazer nada senão implementar as sanções duras contra a Coreia do Norte que realizou testes nucleares violando as resoluções da ONU e ameaçando a segurança nacional da China", assegurou o especialista à Sputnik China.

    Mesmo assim, as fontes anônimas da Casa Branca avisaram que a paciência de Washington tem seus limites e prometeram observar atentamente o processo de aplicação das sanções contra Pyongyang.

    Conforme o especialista do Instituto de Estudos Orientais da Academia de Ciências da Rússia Aleksandr Vorontsov, essa atitude faz lembrar a "política da cenoura e do cacete" em relação à China. Para ele, as sanções são vistas pelos EUA como uma vitória diplomática sobre a China:

    "Essa suposição é válida, levando em conta a maneira intensa como os EUA estão utilizando a "política da cenoura e do cacete" contra a China. De acordo com o representante permanente da Rússia na ONU Vasily Nebenzya, os EUA discutiram com a China durante bastante tempo o projeto de resolução e quando o submeteram a debate geral, exigiram sem cerimônia que ele fosse aprovado pelos outros países o mais rápido possível. Esse estilo arrogante e prepotente é uma falta de respeito para com os outros membros do Conselho de Segurança da ONU. É uma chantagem descarada."

    Não podendo solucionar o problema norte-coreano sozinho, Trump se dirigiu à China, que, por sua vez, não vai resolvê-lo de uma forma que sirva aos americanos, pois isso não corresponde aos seus interesses nacionais. Aliás, Trump havia prometido aos seus eleitores e partidários que tomaria medidas duras no comércio com a China. Daí sua vacilação e passos impulsivos que resultaram no jogo de sanções contra os chineses.

    Mais:

    14 minutos é tempo suficiente para Coreia do Norte atacar território dos EUA
    Por que especialistas na Ásia não temem guerra entre EUA e Coreia do Norte?
    Coreia do Norte promete ataque contra território dos EUA no Pacífico este mês
    Tags:
    bancos, sanções, Conselho de Segurança da ONU, Donald Trump, Aleksandr Vorontsov, Vasily Nebenzya, Pyongyang, Washington, Coreia do Norte, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik