11:56 18 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Lançamento de míssil na China (arquivo)

    Pequim se prepara para guerra na península da Coreia

    © AP Photo/ Wu Dengfeng
    Ásia e Oceania
    URL curta
    912830335

    Logo após o anúncio do programa de sanções que afetará as exportações de carvão, ferro e chumbo da Coreia do Norte em 1 bilhão de dólares, Pequim estará realizando pelo menos seis exercícios navais no Mar Amarelo.

    Os exercícios certamente enviam um sinal de que os chineses "serão eficazes em qualquer conflito se a guerra eclodir", disse Malcolm Davis, do Instituto de Políticas Estratégicas da Austrália (ASPI), ao jornal South China Morning Post.

    No entanto, esta mensagem não é apenas para Pyongyang, afirmou Collin Koh, da Universidade Tecnológica Nanyang de Cingapura. "Querem enviar um sinal… e o destinatário não é apenas a Coréia do Norte", disse Koh.

    A força naval da China está aumentando significativamente. Na semana passada, os chineses incorporaram mais um grande navio à sua frota. Segundo Peter Roberts, do Instituto Real de Pesquisas na área de Defesa (RUSI), o poder naval da china está crescendo "como nenhuma marinha cresceu antes na história".

    Os exercícios incluirão disparos, ensaios de mobilização ofensiva e defensiva, bem como a integração dos navios, submarinos e aeronaves. "Dezenas de tipos de mísseis" também serão lançados em mais de 10 missões, observou South China Morning Post.

    Os exercícios, cujas datas exatas ainda serão definidas, serão supervisionados por autoridades e pelo comando do Exército de Libertação Popular da China.

    Mais:

    Marinha chinesa aprimora detecção de submarinos no mar do Sul da China
    Marinha da China mostra sua bandeira para OTAN no Báltico
    China moderniza e reforça sua Marinha
    Rússia e China desafiam o domínio dos EUA nos mares em exercícios navais no Báltico
    Tags:
    exercícios navais, ASPI, RUSI, Marinha da China, South China Morning Post, Mar Amarelo, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik