14:10 21 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente das Filipinas Rodrigo Duterte discursando antes de partir para a cúpula da ASEAN em Laos, 5 de setembro de 2016

    Presidente das Filipinas chama Kim Jong-un de 'tolo' e 'filho da p***'

    © REUTERS/ Russia Picture Service
    Ásia e Oceania
    URL curta
    20139

    O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, na quarta-feira (2) chamou o líder norte-coreano Kim Jong-un de "tolo" e de "filho da p***" no âmbito da preparação para a cúpula da ASEAN em Manila, que contará com a participação do ministro das Relações Exteriores da Coreia do Norte.

    "Essa cara gorducha que parece afável. Esse filho da p***". Se cometer erro, o Extremo Oriente se tornará um território árido. É necessário acabar com isso, com esta guerra nuclear", disse Duterte na conferência com autoridades fiscais do país. 

    Ao chamar Kim Jong-un de "tolo", Duterte assinalou que o líder da Coreia do Norte "está jogando com brinquedos perigosos" e alertou para as consequências do conflito na região. Segundo o presidente filipino, o confronto pode levar ao empobrecimento dos solos e recursos naturais. 

    Anteriormente, Duterte chamou de "tolo" o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e de "filho da p***" o presidente dos EUA, Barack Obama. Ele também "mandou ir para o inferno" a União Europeia.

    A cúpula anual da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), realizada no início de agosto, participam os ministros das Relações Exteriores de quase 30 países. Vale destacar que este é dos poucos eventos, onde o ministro das Relações Exteriores da Coreia do Norte marca presença.

    Mais:

    Duterte ameaça bombardear escolas por ensinarem 'subversão'
    O 'novo' Duterte. O que pediu ele a Putin?
    Duterte: Kim Jong-un quer acabar com o mundo
    Tags:
    relações internacionais, UE, Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), Ban Ki-moon, Barack Obama, Kim Jong-un, Rodrigo Duterte, EUA, Coreia do Norte, Filipinas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik