06:19 23 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Kim Jong-un, durante teste com submarino da Coreia do Norte

    Jornal sugere que EUA se ajoelhem e peçam perdão à Coreia do Norte

    KCNA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    16103

    Na data que marcou o 64° aniversário do armistício da Guerra da Coreia (1950-1953), o principal jornal da Coreia do Norte sugeriu nesta quinta-feira que os Estados Unidos se ajoelhassem e pedissem desculpas ao povo norte-coreano.

    Além disso, o Rodong Sinmun reforçou o discurso de Pyongyang de que a Casa Branca deve pôr fim à sua política de hostilidades contra o regime comunista.

    “Há apenas uma saída para os EUA. É retirar a política anacrônica hostil em relação à Coreia do Norte, se ajoelhar e pedir desculpas ao seu exército e às pessoas”, afirmou a publicação em comentário.

    O texto abordava o que chamou de “vitória sobre os EUA durante a guerra coreana que terminou em uma trégua, e não em um tratado de paz”. O jornal apontou ainda que Washington erra ou não entender os avanços do programa nuclear e de mísseis do país.

    Em um comentário separado, a publicação pediu aos norte-coreanos que se preparem para provações mais severas, uma vez que as atrocidades de Washington piorarão em nome das sanções internacionais, e o fim estaria se aproximando.

    O fim das hostilidades é uma das demandas de Pyongyang para abrir um canal de diálogo com os Estados Unidos e com a Coreia do Sul. O governo norte-coreano também demanda o fim dos exercícios militares conjuntos entre os dois países e a manutenção do seu programa nuclear.

    Mais:

    General norte-americano: Coreia do Norte deve ser enfrentada, antes que seja tarde demais
    EUA não fazem ideia de quando Coreia do Norte desenvolverá míssil intercontinental
    Mídia: Irã e Coreia do Norte se preparam para novos lançamentos de mísseis
    Tags:
    diplomacia, guerra da coreia, guerra nuclear, Casa Branca, Kim Jong-un, Pyongyang, Península Coreana, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik