14:56 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Um militar norte-coreano junto à bandeira nacional

    Mundo albergará Coreia do Norte no clube nuclear para evitar catástrofe?

    © AP Photo / Lee Jin-man
    Ásia e Oceania
    URL curta
    26153
    Nos siga no

    A Coreia do Norte está à beira de entrar no clube de potências nucleares. Esta opinião foi expressa pelo diretor da Inteligência Nacional dos EUA, Daniel Coats, no Fórum de Segurança em Aspen, no Colorado.

    O ex-diretor da CIA e da Agência de Segurança Nacional, Michael Hayden, também havia advertido mais uma vez sobre o perigo que o país asiático representa.
    Hayden assegura que, caso não sejam tomadas as medidas correspondentes, a Coreia do Norte poderia alcançar com suas bombas o nordeste do Pacífico dentro de meia década.

    "É uma ameaça que afeta Seattle mais que muitas outras partes do país", destacou o militar.

    Para solucionar o problema, Hayden apelou para reconhecer a potência nuclear de Pyongyang em troca de certas limitações por sua parte relativas ao número permitido de armas nucleares. Em sua opinião, seria uma saída real da via morta onde se encontraram os EUA e outros países, cuja segurança está ameaçada pelas suas armas nucleares.

    Entretanto, a pergunta principal é se é possível ampliar o "clube nuclear" hoje em dia sem que isto conduza a consequências perigosas.

    "Não há outras opções. As armas nucleares estão se espalhando. O que é mais perigoso? Legitimar as armas nucleares norte-coreanas e o país em si ou seguir atacando-o e esperando, em troca, algo imprevisível?", pergunta-se o cientista político, Vladimir Mozhegov, especialista em assuntos norte-americanos, em uma entrevista à edição Svobodnaya Pressa.

    O especialista está seguro de que a Coreia do Norte existirá como país somente possuindo as armas nucleares. Pelo contrário, os EUA já o teriam desfeito da mesma forma como o fizeram com vários Estados árabes.

    Mesmo assim, o analista frisou que Trump é adepto da política "real". Para ele, o mais importante é fechar um bom negócio. Caso a linha geral da política americana se incline até a estratégia do atual presidente, é muito provável que a Coreia do Norte se reconheça como uma potência nuclear.

    Hoje em dia, somente cinco países têm direito oficial de possuir armas nucleares: a Rússia (como sucessora da URSS), os EUA, o Reino Unido, a França e a China, recordou o diretor adjunto do Instituto Nacional de Ideologia Moderna, Igor Shatrov.

    Desde 1968, tem estado em vigor o Tratado de Não Proliferação Nuclear (TNP) que proíbe os restantes Estados de desenvolver e testar armar atômicas. Apesar disso, a Índia, o Paquistão e a Coreia do Norte anunciaram a criação deste tipo de armas, enquanto Israel é suspeito de criar essas armas também.

    Desta lista, somente a Coreia do Norte provoca a preocupação constante da comunidade mundial, o que muitos especialistas consideram como uma manifestação de "duplos padrões", comentou Shatrov.

    De acordo com ele, Pyongyang não espera seu reconhecimento internacional, já que não mudaria absolutamente nada para ela. O país entende que um arsenal nuclear é a justificativa da pressão e não a causa.

    "Creio que caso acorde em se aderir ao TNP, de qualquer modo não estaria de acordo com a instalação de armas nucleares americanas na Coreia do Sul, para o que os EUA estão realmente buscando um pretexto", concluiu.

    Mais:

    Coreia do Norte identifica Havaí e Alasca como possíveis alvos de ataque
    Coreia do Norte tem capacidade de um ataque 'limitado', diz general dos EUA
    Chefe da Inteligência Nacional dos EUA: Coreia do Norte se torna uma ameaça real
    Tags:
    mísseis intercontinentais, Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares, armas nucleares, CIA, Donald Trump, Coreia do Norte, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar