11:13 21 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Teste de míssil norte-coreano Hwasong-12

    Coreia do Norte avança na produção de mísseis de curto alcance mais letais

    © REUTERS/ KCNA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 2187140

    Um relatório produzido pela inteligência dos Estados Unidos apontou, na semana passada, que a Coreia do Norte está “provavelmente” desenvolvendo mísseis de curto alcance (CRBM, na sigla em inglês) com maior precisão, autonomia de voo e letalidade.

    Produzido pelo Centro de Inteligência Nacional de Ar e Espaço, o documento intitulado “Ameaça de mísseis balísticos e de cruzeiro” traça o desenvolvimento de programas balísticos de Coreia do Norte, Rússia, China e Irã.

    No trecho sobre o programa norte-coreano, os analistas apontam que Pyongyang parece estar melhorando os seus CRBMs com o alcance máximo deste tipo de mísseis, logo abaixo dos 300 quilômetros. A avaliação é semelhante à feita sobre os iranianos.

    “O Irã e a Coreia do Norte provavelmente progrediram para a produção do Fadj-5 Aero CRBM e do KN-SS-X-9, respectivamente. Se os iranianos e os norte-coreanos usam sistemas de navegação por satélite (como o GPS) a bordo de seus CRBMs, a distância desses CRBMs pode ser reduzida a dezenas de metros”, diz o relatório.

    A comunidade internacional conhece dois modelos de mísseis de curto alcance da Coreia do Norte: o Toksa e o KN-SS-X-9, que tem alcance de 120 quilômetros e 190 quilômetros, respectivamente, de acordo com o documento da inteligência dos EUA.

    “A alta precisão dos CRBMs seria um multiplicador de força para as forças de artilharia iraniana e norte-coreana, dando-lhes capacidade de ataque de precisão contra alvos de alta prioridade”, completa o documento, produzido antes do primeiro teste norte-coreano com um míssil intercontinental (ICBM, na sigla em inglês), há duas semanas.

    O relatório afirma também que Coreia do Norte, China, Irã, Índia e Paquistão estão desenvolvendo novos mísseis de alcances médio e intermediário, os quais em muitos casos poderão ser equipados com ogivas não convencionais. “Destes países, apenas o Irã não realizou testes nucleares”, diz o documento.

    Pyongyang: 'EUA estão pasmos com nossos sucessos'

    A perspectiva de novas sanções contra si fez o governo norte-coreano classificar tais ações como “medo dos EUA” diante dos recentes sucessos de Pyongyang em seus testes balísticos. A informação foi publicada pelo jornal estatal norte-coreano Rodong Sinmun.

    “Espantado como está pelos sucessos da Coreia do Norte no teste com o míssil balístico intercontinental Hwasong-14, os Estados Unidos dão passos frenéticos ante o Conselho de Segurança das Nações Unidas para criar outra ‘resolução sobre sanções’ contra a Coreia do Norte mais duras que as demais”, disse um representante do Ministério de Relações Exteriores à publicação.

    O mesmo funcionário da chancelaria norte-coreana reforçou que o país irá responder com um “ato de Justiça”, caso novas sanções sejam impostas pelo conselho. Porém, ele não revelou qual ação seria essa.

    Mais:

    Será o Japão capaz de conter ataque nuclear da Coreia do Norte?
    Coreia do Sul propõe negociações militares com Coreia do Norte ainda neste mês
    Coreia do Norte avança na produção de plutônio para armas nucleares, diz site
    Tags:
    fadj-5, KN-SS-X-9, toksa, crbm, icbm, míssil balístico intercontinental, mísseis balísticos, Centro de Inteligência Nacional de Ar e Espaço, Kim Jong-un, Irã, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik