02:10 20 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Exército Popular da Coreia apresenta, em desfile, complexos de lançamento de mísseis balísticos intercontinentais em abril de 2017

    Pyongyang: ações de Washington são uma 'tentativa desesperada de quem perdeu autodomínio'

    © Sputnik/ Ilia Pitalev
    Ásia e Oceania
    URL curta
    803870222

    Os apelos recentes dos EUA para "reforçar a pressão global" sobre Pyongyang excluem qualquer diálogo sobre desnuclearização da península da Coreia, afirma um comunicado publicado pela agência de notícias central norte-coreana, KCNA.

    "Conversas sobre 'ações globais', nas quais se acusa um país soberano de ter meios para se proteger, são uma manifestação de uma política de força do [presidente dos EUA, Donald] Trump que tem como objetivo perseguir os interesses dos EUA à custa de outros. É apenas a última tentativa desesperada de quem perdeu o autodomínio percebendo a posição estratégica da Coreia do Norte", destaca o comunicado.

    Acrescenta-se também que todas as tentativas criminosas dos EUA de mobilizar todo o mundo contra um Estado soberano apenas por este cair em desgraça junto de Washington nunca darão certo no mundo de hoje.

    "Os EUA devem reconhecer o fato que, até eles acabarem com sua política agressiva contra a Coreia do Norte, o programa nuclear e de mísseis nunca será discutido", resume o comunicado norte-coreano.

    Nos últimos meses, Pyongyang realizou uma série de lançamentos de mísseis balísticos e de testes nucleares. O último lançamento foi realizado em 4 de julho. Pyongyang afirma ter testado com sucesso um míssil balístico intercontinental. Após o lançamento, o míssil Hwasong-14 voou cerca de 933 quilômetros em 39 minutos, atingindo uma altitude de 2.802 quilômetros, informou a televisão estatal da Coreia do Norte.

    Mais:

    Coreia do Norte avança na produção de plutônio para armas nucleares, diz site
    Coreia do Norte confirma existência de silos com mísseis estratégicos
    'EUA não estão preparados para negociar com a Coreia do Norte', diz ex-diplomata
    Tags:
    negociações, programa nuclear, EUA, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik