19:38 23 Julho 2017
Ouvir Rádio
    Míssil norte-coreano lançado do submarino

    Quais são as 'decisões ruins' que podem levar a uma guerra entre EUA e Coreia do Norte?

    © REUTERS/ KCNA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Tensão sem precedentes entre Coreia do Norte e EUA (178)
    8279712

    Múltiplos cenários se mostram possíveis atualmente quando o assunto envolve as tensões entre Estados Unidos e Coreia do Norte. O ponto central envolve o programa nuclear norte-coreano e os rumos que o mesmo terá nos próximos anos.

    Em uma ponta da equação, uma saída diplomática em prol do pacifismo seria do agrado da comunidade internacional. Na outra, há o risco de uma decisão de lado a lado provocar uma guerra entre os dois países e os seus aliados, com armas nucleares envolvidas.

    Afinal, quais são as “decisões ruins” que poderiam deflagrar um conflito bélico entre Washington e Pyongyang? Um analista especializado em assuntos de Defesa e membro do Partido Trabalhista australiano, Crispin Rovere, fez esse exercício e trouxe um cenário preocupante.

    Cenário 1: EUA não atacam a Coreia do Norte

    Ao não tomar uma atitude que freie os avanços armamentistas da Coreia do Norte, os Estados Unidos correm o risco de fortalecer o regime de Kim Jong-un, que hoje desenvolve a passos largos o seu míssil balístico intercontinental (ICBM, na sigla em inglês). E tal falta de ação poderia sim desencadear uma guerra.

    De acordo com Rovere, novos testes com mísseis “nos próximos cinco ou 10 anos seguirão ampliando, diversificando e protegendo o arsenal nuclear” da Coreia do Norte. Além de seguir com suas provocações, Pyongyang ampliaria a instabilidade na Ásia e, possivelmente, pode levar a uma invasão norte-coreana contra a Coreia do Sul.

    Encontro em 4 de agosto de 2009 entre o ex-presidente dos EUA, Bill Clinton, e o então líder da Coreia do Norte, Kim Jong-il, em Pyongyang
    © AP Photo/ Korean Central News Agency via Korea News Service, File

    Como outra prova da perda de influência dos EUA na região, a China também poderia avançar com o seu desenvolvimento militar e invadir a ilha de Taiwan. A proliferação de armas nucleares na região, em um primeiro momento, se espalharia para o resto do mundo, de acordo com o especialista.

    Haveria espaço para a China realizar um ataque preventivo contra tropas norte-americanas, impondo altas perdas a Washington e abrindo uma guerra entre os dois países. Após tomar a Península Coreana, os chineses poderiam oferecer a Seul a possibilidade de reunificação do país sob o comando do Sul, em troca da expulsão completa das tropas dos EUA.

    Cenário 2: EUA atacam a Coreia do Norte

    Sem mais espaço para diplomacia e com informações da inteligência de que a Coreia do Norte possui condições de atingir o território norte-americano com uma ogiva nuclear, a Casa Branca decidiria lançar um ataque militar contra a Coreia do Norte. Poderia ser esse o “maior ataque aéreo da história”, avaliou Rovere.

    Após a agressão, Pyongyang rapidamente atacaria Seul e depois, por meio de seus submarinos, atacaria a Marinha dos EUA e o Japão, causando a morte de milhares de pessoas. O especialista garantiu que o regime comunista perderia a guerra, embora impondo não só uma alta perda de vidas, mas também uma escalada nuclear e uma crise econômica na Ásia e nos EUA.

    Rovere explicou ainda que a China poderia apoiar de forma secreta os grupos insurgentes na Coreia do Norte, favorecendo a sua posição na península, trabalhando ainda junto à Coreia do Sul pela saída completa das tropas norte-americanas do continente asiático.

    Ele ainda mencionou que a Rússia poderia tentar avançar sobre os Estados Bálticos, avaliando que os EUA não poderia abrir uma outra frente na Europa, estando em guerra na Ásia ao mesmo tempo.

    E os resultados?

    O especialista destacou que o cenário 1 “não apresenta nenhuma” consequência positiva, ao passo que o segundo (o conflito bélico) demonstraria que nenhum país poderia “ter licença para ameaçar a paz mundial”.

    Ao mesmo tempo, a guerra “uniria povos divididos de forma artificial e extinguiria um regime que é uma afronta para a humanidade”. Um conflito armado poderia melhorar ainda as posições norte-americanas na Ásia a longo prazo, de acordo com a avaliação de Rovere.

    Ele concluiu que, “se há que se eleger entre relações de dissuasão mútua com a Coreia do Norte e uma guerra na península, a segunda opção é a única viável”.

    Tema:
    Tensão sem precedentes entre Coreia do Norte e EUA (178)

    Mais:

    'Pequeno detalhe' separa Coreia do Norte de míssil intercontinental, diz Seul
    Sistema THAAD pode proteger 10 milhões de pessoas na Coreia do Sul, diz comandante dos EUA
    Ataque preventivo: será assim que Coreia do Norte vai começar Terceira Guerra Mundial
    Tags:
    diplomacia, terceira guerra mundial, ogiva nuclear, arma nuclear, guerra nuclear, Kim Jong-un, Donald Trump, Crispin Rovere, Ásia, China, Rússia, Estados Unidos, Península Coreana, Coreia do Sul, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik