17:35 06 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Tensão sem precedentes entre Coreia do Norte e EUA (186)
    67364
    Nos siga no

    Não está 100% claro qual foi exatamente o míssil lançado pela Coreia do Norte nesta terça-feira, mas o mais recente teste balístico conduzido por Pyongyang tende a ter consequências, sobretudo pela possibilidade da arma poder ser um temido míssil balístico intercontinental (ICBM, na sigla em inglês).

    O governo russo avaliou que o teste balístico envolveu um míssil de médio alcance, e não um ICBM. Contudo, analistas de outros países dizem que os dados disponíveis até o momento podem significar o contrário – como o regime de Kim Jong-un informou, dizendo que o país pode atacar “qualquer parte do planeta”.

    Especialistas suspeitam que o míssil teria potencial para atingir o estado americano do Alasca, o que seria uma clara ameaça aos Estados Unidos. Uma reunião de emergência nesta quarta-feira irá discutir todos os dados disponíveis sobre o teste, a fim de determinar do que se tratou o teste balístico.

    Se confirmado que se trata mesmo de um ICBM, a Coreia do Norte seria o sexto país do mundo a ter tal armamento, ao lado de EUA, Rússia, China, Índia e Israel.

    O que são mísseis intercontinentais?

    Mísseis balísticos intercontinentais são projéteis que podem percorrer grandes distâncias – geralmente acima dos 5.500 quilômetros –, ultrapassando o espaço da atmosfera terrestre para alcançar o seu alvo, habitualmente localizado em outro continente.

    Sabe que Pyongyang já possui testes bem sucedidos com mísseis de alcance intermediário (IRBM) e com mísseis de médio alcance (MRBM). Nestes dois casos, análises demonstraram que os norte-coreanos poderiam acoplar ogivas nucleares nesses mesmos mísseis.

    Para Jeffrey Lewis, diretor do Programa de Não-Proliferação da Ásia Oriental do Instituto de Estudos Internacionais Middlebury, no estado americano da Califórnia, os elementos que já se conhecem sobre os testes apontam para um míssil intercontinental, o Hwasong-14. Foi o que ele escreveu em sua conta no Twitter.

    Consequências

    Os que defendem uma ação militar dos Estados Unidos e seus aliados contra Pyongyang sempre encararam a presença de um ICBM no arsenal norte-coreano como a peça que faltava para uma intervenção, sob pena de correr o risco de um ataque preventivo ordenado por Kim Jong-un, que teria consequências catastróficas.

    Ao mesmo tempo, as mesmas consequências seriam sentidas em caso de um ataque como o protagonizado pelos EUA contra a Síria, em abril deste ano. Todavia, ao contrário de Damasco, Pyongyang tem poder de fogo para causar grandes estragos, como já reconheceu o ministro de Defesa norte-americano James Mattis.

    Em comum, todos os países envolvidos e a comunidade internacional insistem que o melhor caminho para lidar com a crise na Península Coreana é o diálogo. Contudo, enquanto Washington e Seul só aceitam conversar se Pyongyang congelar o seu programa nuclear e balístico, a Coreia do Norte exige o fim dos exercícios conjuntos entre seus inimigos e o fim dos embargos e demais pressões para cogitar a possibilidade de negociação.

    O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, declarou que o lançamento demonstrou que “o perigo aumentou”. Já o presidente sul-coreano Moon Jae-in alertou para o fato da Coreia do Norte estar próxima de “cruzar a ponte sem volta”. Pequim e Moscou defenderam uma moratória para os norte-coreanos após o lançamento.

    A China, aliás, forneceu o caminhão que, se antes transportava madeira na Coreia do Norte, agora transportou um possível ICBM do país vizinho. Para a comunidade internacional, as relações antigas entre Pequim e Pyongyang precisam ser ainda mais exploradas, a fim de trazer Kim Jong-un para a mesa de negociação.

    Por ora, espera-se que os norte-coreanos lancem o seu Hwasong-14 periodicamente, a fim de pressionar os EUA. O presidente norte-americano Donald Trump havia garantido que Pyongyang não conseguiria desenvolver tal arma durante o seu governo, mas o prazo parece estar acabando.

    Tema:
    Tensão sem precedentes entre Coreia do Norte e EUA (186)

    Mais:

    'Se Coreia do Norte parasse seus testes, ela poderia se encontrar no lugar do Iraque'
    Rússia: aumento das tensões com a Coreia do Norte pode provocar uma situação catastrófica
    'Esse cara não tem nada melhor para fazer na vida?', diz Trump sobre Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar