15:49 25 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    O presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, assistindo o teste de um míssil balístico produzido no país, na Agência para o Desenvolvimento da Defesa da Coreia do Sul, em 23 de junho de 2017

    Resposta inevitável: Coreia do Sul lança míssil balístico (VÍDEO)

    © REUTERS/ Presidential Blue House/Yonhap
    Ásia e Oceania
    URL curta
    2968701315

    O presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, assistiu o lançamento do míssil balístico Hyunmoo 2, informou a agência Yonhap.

    "A presença do presidente no lançamento é uma clara advertência contra as repetidas provocações da Coreia do Norte", disse aos jornalistas o porta-voz do presidente, Park Soo-hyun.

    O Hyunmoo 2, com uma autonomia de 800 quilômetros (o que é suficiente para alcançar qualquer parte da Coreia do Norte) foi lançado do campo de testes da Agência para o Desenvolvimento da Defesa, 200 quilômetros a sudoeste de Seul.

    Em 22 de junho foi informado que a Coreia do Norte testou um novo motor de foguete que poderá ser instalado em um míssil balístico intercontinental. Ao mesmo tempo, Moon Jae-in advertiu que Pyongyang obteria "em um futuro próximo" a tecnologia de mísseis balísticos intercontinentais, capazes de alcançar o território continental dos EUA, e para impedi-lo apelou a impor sanções "suficientemente fortes".

    No início de junho, o Conselho de Segurança da ONU aprovou por unanimidade uma resolução que amplia as sanções impostas contra a Coreia do Norte devido ao lançamento de mísseis. A lista das sanções inclui várias pessoas físicas e entidades jurídicas: tropas de mísseis, empresas comerciais e bancos.

    Apesar das proibições da ONU, Pyongyang já realizou nove testes de mísseis balísticos desde o início do ano.

    Mais:

    Seul promete fazer tudo para alcançar regresso de seus cidadãos presos na Coreia do Norte
    Seul: 'desnuclearização' da Coreia do Norte é uma questão de sobrevivência, diz presidente
    Tags:
    teste, míssil balístico, Moon Jae-in, Coreia do Norte, Coreia do Sul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik