15:12 16 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Tensão sem precedentes entre Coreia do Norte e EUA (186)
    2311
    Nos siga no

    Em visita à Oceania nesta semana, o secretário de Estado dos EUA Rex Tillerson reforçou as estratégias da Casa Branca para lidar com a Coreia do Norte e o seu programa nuclear. E elas passam por duas palavras: união regional e prejuízos financeiros.

    Em visita à Nova Zelândia nesta terça-feira, Tillerson reafirmou que acredita na diplomacia e na pressão conjunta para lidar com a questão norte-coreana.

    “Pedimos a todas as nações que tenham qualquer tipo de relações, atividade econômica com a Coreia do Norte, para se juntarem a nós para pressionar o regime em Pyongyang para que eles repensem a estratégia e o caminho com o desenvolvimento de seus programa de armas nucleares”, disse.

    No encontro com o primeiro-ministro neozelandês Bill English, ficou reforçado que os EUA querem que a comunidade internacional suba o tom e a pressão contra Pyongyang, a fim de trazer o país asiático para a mesa de negociações – o que o regime ainda não indicou que fará.

    “Todos os parceiros regionais, incluindo a China, reafirmaram sem questionar seu compromisso com uma Península Coreana desnuclearizada. E agora, acho que a questão é: como trabalhamos juntos coletivamente para levar Pyongyang à mesa, ter uma discussão sobre esse futuro, um futuro diferente do que eles já traçaram até agora?”.

    “Tivemos uma boa conversa sobre as maneiras pelas quais a Nova Zelândia pode nos apoiar a esse respeito, tanto em termos de reafirmar essa mensagem, mas depois apoiá-la em pequenas e pequenas formas de colocar a ação por trás da mensagem de que a Coreia do Norte precisa mudar seu caminho”, emendou o secretário.

    Um dia antes, em visita à Austrália, Tillerson havia manifestado o mesmo tom quando questionado sobre o que considera a “ameaça norte-coreana”, em referência ao programa nuclear do país. Os EUA se dizem dispostos a não desistir da pressão enquanto Pyongyang não abandonar o desenvolvimento de armas que possam atingir o solo norte-americano.

    “Discutimos os desafios na Península Coreana, em particular o comportamento destrutivo da Coreia do Norte em seus testes de armas nucleares e de mísseis e o que podemos fazer juntos e com outras nações para frenar esse comportamento e o risco que ele representa, não apenas regionalmente, mas globalmente. Estamos empenhados em trabalhar em estreita colaboração com os nossos parceiros regionais, para impor maiores custos ao regime desse comportamento desestabilizador”, resumiu a ministra da Defesa da Austrália, Marise Payne.

    Por ora, permanece o temor de que os norte-coreanos possam não só manter a sua rotina de testes balísticos – foram nove apenas neste ano –, mas também realizarem um novo teste nuclear ainda neste mês.

    Tema:
    Tensão sem precedentes entre Coreia do Norte e EUA (186)

    Mais:

    Coreia do Norte diz que irá desenvolver programa nuclear 'sem demoras'
    Coreia do Norte chama testes de intercepção americanos de 'blefe' e 'provocação militar'
    Coreia do Norte pode ter tido ajuda russa em teste bem-sucedido, diz especialista dos EUA
    Tags:
    política, diplomacia, terceira guerra mundial, guerra nuclear, guerra, Marise Payne, Bill English, Rex Tillerson, Península Coreana, Coreia do Norte, China, Nova Zelândia, Austrália, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar