17:21 06 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    19115
    Nos siga no

    As autoridades norte-coreanas rejeitam completamente a última resolução do Conselho de Segurança da ONU sobre a ampliação das sanções contra Pyongyang pelos lançamentos de mísseis e estão dispostos a "continuar o desenvolvimento das armas nucleares sem demoras", assegurou o porta-voz da chancelaria do país asiático.

    Segundo comunica a KCNA, no seu comentário o diplomata considerou as novas sanções contra Pyongyang como uma "ação beligerante, cujo objetivo é deter o desenvolvimento das forças nucleares [do país], desarmar e sufocar o país do ponto de vista econômico".

    "Quaisquer que sejam as sanções e qualquer que seja a pressão, não abdicaremos do caminho de desenvolvimento de armas nucleares que nós escolhemos para proteger nossa soberania e o direito à existência do nosso país, e estamos dispostos a avançar até a vitória final", diz um comunicado publicado pela chancelaria norte-coreana.

    O diplomata frisou que a comunidade internacional está se enganando se acredita que as sanções elaboradas "nos bastidores" pelos EUA e pela China, "possam deter ou adiar o desenvolvimento extraordinário das forças nucleares [da Coreia do Norte] nem que seja por um instante.

    Na sexta-feira passada (2), o Conselho de Segurança da ONU adotou por unanimidade uma resolução que amplia as sanções contra a Coreia do Norte na sequência dos repetidos lançamentos de mísseis. Na lista de sanções figuram várias pessoas físicas e quatro pessoas jurídicas — tropas de mísseis, empresas comerciais e um banco.

    O lançamento mais recente de mísseis pela Coreia do Norte foi efetuado na manhã de segunda-feira, a partir da costa oriental do país, nomeadamente, de um dos bairros da cidade de Wonsan. O míssil voou por 6 minutos, percorrendo 450 quilômetros.

    O Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas sul-coreanas qualifica o míssil norte-coreano como sendo de médio ou curto alcance do tipo Scud. O míssil caiu na zona econômica exclusiva do Japão, a 500 km da Ilha de Sado, na prefeitura de Niigata, sendo que não foi detectado nenhum prejuízo contra navios e aeronaves japoneses.

    Mais:

    Coreia do Norte pode ter tido ajuda russa em teste bem-sucedido, diz especialista dos EUA
    Coreia do Sul e Japão concordam em aumentar pressão sobre Coreia do Norte
    Coreia do Norte: EUA provocam uma guerra nuclear enviando bombardeiros à península
    Tags:
    arsenal nuclear, lançamento, míssil balístico, ONU, China, EUA, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar