01:46 16 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Kim Jong-un observa o lançamento de um míssil balístico

    Pyongyang teria lançado novo tipo de míssil? Japão descreve as singularidades do projétil

    © REUTERS / KCNA/ via REUTERS/Foto de arquivo
    Ásia e Oceania
    URL curta
    25201
    Nos siga no

    O míssil, lançado pela Coreia do Norte nesta segunda-feira (29), poderia ser um novo tipo de míssil, declarou o ministro da Defesa do Japão, Tomomi Inada.

     "Na ogiva do míssil podem ser vistas asas pequenas, ou seja, o míssil [que foi lançado na segunda-feira] possui peculiaridades, que o diferem dos mísseis Scud. Ao mesmo tempo, tirando a ogiva, sua forma e comprimento são iguais ao Scud. Levando em consideração a distancia de voo e o novo vídeo publicado pela Coreia do Norte, e o fato de ser chamado por eles como 'novo míssil balístico da alta precisão', podemos concluir que se trata de um novo tipo de míssil, fabricado na base das modificações do Scud", assinalou o ministro.

    Na segunda-feira (29), a Coreia do Norte realizou mais um lançamento de míssil, desta vez, a partir da costa oriental do país, mais precisamente a partir dos arredores da cidade de Wonsan. Ele sobrevoou uma distância de 450 quilômetros por seis minutos. O Comitê unido de chefes dos estados-maiores da Coreia do Sul classifica o projétil como um míssil norte-coreano de alcance médio do tipo Scud.

    O projétil caiu na zona econômica exclusiva do Japão a 500 quilômetros da ilha Sado, na prefeitura de Niigata, e a 300 quilômetros das ilhas Oki, na prefeitura de Shimane. As aeronaves e barcos japoneses não foram danificados. Japão protestou firmemente contra ação norte-coreana.

    Mais:

    Coreia do Norte pode ter tido ajuda russa em teste bem-sucedido, diz especialista dos EUA
    Premiê japonês: Japão e EUA adotarão medidas concretas para conter a Coreia do Norte
    Tags:
    míssil balístico, desenvolvimento, corrida armamentista, Ministério da Defesa do Japão, Tomomi Inada, Península da Coreia, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar