02:37 22 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Taiwan Same Sex Marriage

    Taiwan aprova casamento gay. China será a próxima?

    © AP Photo/ Chiang Ying-ying
    Ásia e Oceania
    URL curta
    1165

    Os principais juízes de Taiwan decidiram que a lei atual do casamento da ilha vai contra a sua "Constituição". Legisladores têm agora até 2 anos para que redigir uma nova lei que permita aos casais do mesmo sexo se casarem.

    No entanto, mesmo antes da nova lei do casamento, o tribunal disse que os casais do mesmo sexo podem se casar com base em sua interpretação, tornando Taiwan o primeiro lugar na Ásia a permitir o casamento gay.

    A decisão inspirou discussões acaloradas e debates tanto on-line como off-line. Enquanto algumas pessoas gays no continente vêem a medida como um sinal positivo e esperam que a China continental siga o exemplo no futuro, outros são mais cautelosos quanto a exagerar os possíveis efeitos da decisão.

    Otimismo

    Conhecido ativista da causa LGBT, Sun Wenlin tornou-se a primeira pessoa da China continental a processar o governo quanto ao casamento gay ao apresentar um caso contra o Escritório de Assuntos Civis de Changsha, província de Hunan, na China Central, depois de ter seu pedido negado por autoridades do país. Apesar de perder o processo, a campanha de Sun para impulsionar a legalização do casamento homossexual no continente não parou.

    "Taiwan e a China continental têm as mesmas raízes culturais. Se Taiwan pode legalizar o casamento homossexual, é possível que o continente também o aprove", disse Sun ao jornal Global Times.

    Depois de ser rejeitado pelo gabinete de assuntos civis e pela Corte, Sun tentou conversar com autoridades de todos os setores públicos para espalhar sua mensagem. Ele acredita que, se puder persuadir mais pessoas a se juntarem a ele, será possível avançar na questão. "Mas isso exigirá dinheiro. E até agora não consigo encontrar nenhuma base pública que esteja disposta a investir", disse.

    Mesmo sem financiamento, Sun está se dedicando a um projeto que pretende realizar 100 cerimônias de casamento gay na China. Até agora, ele organizou três cerimônias.

    "Vou continuar o projeto até o casamento do mesmo sexo ser aprovado no continente chinês", disse.

    China é a próxima? Talvez não

    Enquanto Sun está otimista sobre as chances de mudança, Ah Qiang, fundador de uma ONG de pais de gays, lésbicas, bissexuais e transexuais, é mais cético em relação aos efeitos na China. Ele acrescentou que "agora é um momento sensível" para organizar eventos LGBT.

    Após pressão governamental, um representante de uma empresa que, desde 2015, ajudou os casais gays chineses a se casarem nos EUA disse que não vai ajudar os casais a se casar em Taiwan após a decisão. Os ativistas que procuram promover os direitos LGBT enfrentaram resistência nos últimos meses.

    Em maio, um evento em que os homossexuais deveriam apresentar discursos inspiradores em  para incentivar outros membros da comunidade LGBT foi cancelado. De acordo com o movimento Speak Out, o organizador e seus funcionários passaram mais de três meses se preparando para o evento em Xi'an, na província de Shaanxi, no noroeste da China.

    O movimento perdeu contato com seus funcionários durante oito horas, seus celulares foram confiscados e as senhas de desbloqueio dos aparelhos, requisitadas por autoridades que se recusaram a se identificar.

    "Nós não sabemos o que aconteceu. Diferentes pessoas nos dão explicações diferentes e não posso confiar neles", disse o anúncio.

    No mês passado, 11 mães foram para o People's Park de Xangai para encontrar parceiros para seus filhos homossexuais. A prática é comum na cultura chinesa. Porém, apenas uma hora depois de chegarem e montar seus guarda-chuvas e cartazes de arco-íris, elas foram retiradas pela Polícia Local que alegou "falta de registro prévio".

    Li Xiang (pseudônimo), membro da comunidade LGBT de Pequim, disse ao Global Times que a situação dos direitos dos homossexuais no continente chinês é "sombria" e que há muitas diferenças entre Taiwan e a sociedade continental em questões sociais.

    "Há mais apoio público em Taiwan, mais discussão e mais ajuda da mídia", disse ele. "No Dia Internacional contra a Homofobia, mais de 115 estrelas em Taiwan se levantaram em apoio da comunidade LGBT, o que é impossível na China continental".

    Li disse que tem esperança de que o continente e Taiwan possam reduzir sua diferença quando se trata de direitos dos homossexuais.

    Mais:

    Fundo Brasil-China: Por que acordo bilionário pode causar problemas aos brasileiros
    Um Negócio da China, em breve, no Brasil
    Tags:
    LGBT, Dia Internacional contra a Homofobia, Speak Out, Escritório de Assuntos Civis de Changsha, Global Times, Li Xiang, Sun Wenlin, Ah Qiang, Xi'an, Hunan, Shaanxi, Estados Unidos, Ásia, Xangai, Taiwan, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik