23:34 09 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Inaguração do Museu da Vitória na Guerra Pátria em Pyongyang, julho de 2013

    Poderá Pyongyang criar uma bomba ainda mais mortífera?

    © Sputnik / Ilia Pitalev
    Ásia e Oceania
    URL curta
    36241
    Nos siga no

    Apoderar-se de uma bomba termonuclear coincide com a estratégia da Coreia do Norte e "pode se tornar uma prioridade" para os militares norte-coreanos, escreve o analista Paul Bracken para a revista The National Interest.

    Os alarmes vigentes ligados ao programa nuclear de Pyongyang tratam do assunto de suas capacidades científicas e industriais, e o tempo necessário para atingir marcos essenciais: criar uma ogiva nuclear de menor tamanho, posicioná-la em um míssil e construir um míssil intercontinental.

    Mas é possível ir além desses problemas e explanar a teoria sobre as consequências do desenvolvimento de uma bomba termonuclear pela Coreia do Norte, oferece Paul Bracken, doutor em ciências políticas da Universidade de Yale.

    Uma arma termonuclear é muito mais poderosa que uma bomba atômica "convencional", assim como é muito mais difícil de produzir.

    EUA demoraram sete anos para desenvolvê-la, com a participação dos cientistas mais famosos do país. A China, por sua vez, conseguiu fazê-lo em apenas três anos após seu primeiro teste nuclear, em 1964, sendo privada de qualquer apoio da União Soviética neste respeito, Bracken relembra. De qualquer maneira, é um enorme sucesso com importantes implicações internas e internacionais.

    Ao obter uma bomba termonuclear, a Coreia do Norte mudaria significativamente a situação, opina o autor. A nível local, seria objeto de orgulho nacional que consolidaria a nação. A nível internacional, forçaria uma reconsideração de todas as abordagens existentes para o "reino eremita", opina o professor.

    "Com cerca de trinta bombas atômicas e um par de bombas termonucleares, será impossível ignorar as consequências de qualquer escalada […] Ninguém poderá pressionar o país", observa Bracken.

    Uma explosão de uma ogiva termonuclear, produzida na península Coreana, levaria radiação ao Japão, Coreia do Sul e EUA, para não falar de todos os vizinhos do país asiático, como China e Rússia.

    Nem sequer pode se tratar de uma resposta a uma intervenção militar, tão discutida nos últimos meses, adverte o autor.

    O risco de colapso do país devido às sanções ou restrições comerciais receberia uma nova dimensão. Também não podem ser ignorados os riscos associados a um possível golpe de Estado contra Kim Jong-un. Uma "simples" falha na manutenção ou falha na cadeia de comando também seria possível, de acordo com Bracken.

    "O raio mortífero da destruição de uma bomba termonuclear solidificaria a Coreia do Norte como 'barril de pólvora' do Nordeste Oriental […] com um monte de riscos estratégicos capazes de causar a 'erupção'", conclui o especialista.

    Mais:

    Coreia do Norte promete maior capacidade nuclear e chama esforço dos EUA de 'farsa'
    EUA testam com sucesso míssil capaz de interceptar ataque da Coreia do Norte
    'Nova Guerra da Coreia' poderia gerar crise de refugiados de grandes proporções na Ásia
    Coreia do Norte divulga vídeo de novíssimos mísseis terra-ar
    Tags:
    arma termonuclear, testes nucleares, armas letais, sanções, Coreia do Norte, China, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar