22:45 13 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    O presidente filipino, Rodrigo Duterte, assiste ao Fórum Econômico em Tóquio, no Japão, em 26 de outubro de 2016

    Duterte faz nova advertência aos EUA mas chama Trump de 'amigo'

    © REUTERS / Kim Kyung-Hoon
    Ásia e Oceania
    URL curta
    1372
    Nos siga no

    O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, conhecido por suas declarações polêmicas em relação aos países ocidentais, afirmou que não permitira que os EUA tratassem seu país como se fosse uma colônia, porém, assegurou que o atual presidente americano, Donald Trump, é "seu amigo".

    "Trata-se de como os EUA veem isso. Vocês continuam me tratando como se fosse uma colônia? Tá brincando? Não lhes permitirei que me tratem como um governador colonial qualquer. Somos um país independente. Nós conseguiremos ultrapassar as dificuldades. Podemos estar com fome, mas desta vez queremos que nos tratem com dignidade", exclamou o presidente filipino em uma entrevista a mídias russas.

    O presidente prosseguiu, suavizando sua retórica:

    "Não tenho nada de negativo em relação aos EUA. Trump é meu amigo", sublinhou. Ao mesmo tempo, Duterte realçou que a política externa do seu país "abandonou a orientação pró-ocidental".

    "Temos agora uma aliança de cooperação com a China, e espero fazer avançarem as relações construtivas com a Rússia. Por quê? Porque o mundo ocidental, a UE e assim por adiante são hipócritas", assegurou.

    Vale ressaltar que anteriormente Duterte ficou famoso por várias declarações extremamente duras em relação aos EUA e ao antecessor de Trump, Barack Obama.

    Ele, em particular, exigiu que os EUA não considerassem seu país como um "cachorrinho com trela" e afirmou que os EUA podem esquecer a ampla cooperação na área de defesa com as Filipinas caso "ele continue como presidente".

    Além disso, Duterte destacava que para o seu país chegou a hora de "se despedir" dos EUA. Porém, depois o político esclareceu que as Filipinas não podem romper as relações com Washington, porém, eles não precisam coordenar suas políticas com as dos Estados Unidos.

    Já em novembro, Duterte parabenizou Trump pela vitória nas presidenciais, afirmando, passado algum tempo, que "se pode cooperar" com novo presidente americano. O presidente filipino também recebeu um convite do seu homólogo americano para visitar os EUA com uma visita de Estado.

    Mais:

    Deputados filipinos votam contra impeachment do presidente Duterte
    Duterte: Kim Jong-un quer acabar com o mundo
    Duterte afirma estar pronto para 'comer' terrorista se lhe derem sal e vinagre
    Tags:
    relações bilaterais, Rodrigo Duterte, Donald Trump, Barack Obama, Filipinas, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar