22:34 23 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Um grupo de lançadores múltiplos de foguetes M-1985 do Exército Popular da Coreia é visto durante desfile militar em finais de abril em Pyongyang

    Míssil de teste norte-coreano que falhou atingiria a Rússia, diz jornal

    © Sputnik/ Ilia Pitalev
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Tensão sem precedentes entre Coreia do Norte e EUA (186)
    217307154

    Um jornal sul-coreano informou nesta semana que o míssil de médio alcance do mais fracassado teste balístico da Coreia do Norte iria atingir a Rússia, por isso acabou detonado em pleno voo.

    O míssil KN-17 foi lançado da base aérea de Pukchang, ao norte de Pyongyang, por volta das 5h30 da manhã (hora local) do último dia 29, e teria sobrevoado de 30 a 50 quilômetros. Minutos depois, ele se desintegrou e caiu no Mar do Japão.

    "O míssil não saiu do território norte-coreano", afirmou o Comando Pacífico dos EUA (PACOM) depois de confirmar o lançamento.

    De acordo com o jornal sul-coreano Seoul Economic Daily, oficiais norte-coreanos detonaram o míssil após constatarem os riscos dele atingir o território russo por acidente.

    "No passado, disparávamos 89-90 graus para o leste, e o projétil caiu do mar do Japão [também conhecido como mar do Leste]. Mas o ângulo deste tiro foi de 49 graus", informou ao jornal sul-coreano uma fonte.

    A informação vai ao encontro da preocupação externada horas após o lançamento pelo governo russo. O presidente do Comitê de Defesa e Segurança do Conselho da Federação, Viktor Ozerov, disse que as defesas russas estavam de prontidão na região leste do país.

    "A Rússia está monitorizando com a maior atenção o que está acontecendo na Coreia do Norte. O sistema de defesa antimíssil no Extremo Oriente está em alerta máximo. Controlamos o espaço aéreo na zona de responsabilidade da Força Aérea da Federação da Rússia", comentou.

    Nesta semana, o presidente norte-americano Donald Trump teve uma conversa telefônica com o presidente russo Vladimir Putin, na qual ficou acordado que haverá um trabalho diplomático conjunto na busca por um acordo com Pyongyang. A situação de momento é considerada "muito perigosa" pela Casa Branca.

    Tema:
    Tensão sem precedentes entre Coreia do Norte e EUA (186)

    Mais:

    China para Estados Unidos e Coreia do Norte: ’Parem de irritar um ao outro’
    Nova plataforma para lançar mísseis de submarinos foi descoberta na Coreia do Norte
    Coreia do Sul afirma que território da Coreia do Norte é 'zona ilegalmente ocupada'
    Tags:
    kn-17, míssil, guerra, Viktor Ozerov, Península Coreana, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik