10:50 24 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Lançamento do míssil balístico Pukguksong-2 pela Coreia do Norte

    Rússia: Coreia do Norte não renunciará às suas armas nucleares enquanto se sentir ameaçada

    © REUTERS / KCNA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Tensão sem precedentes entre Coreia do Norte e EUA (186)
    34205

    O diretor Mikhail Ulyanov, do Departamento para a Não Proliferação e Controle de Armamento do Ministério do Exterior, disse nesta terça-feira que a Coreia do Norte mantém a sua postura nuclear por se sentir “ameaçada” por outros países.

    “A atividade militar de alguns países cria tensão na Península Coreana”, disse Ulyanov. “A Coreia do Norte não renunciará a suas armas nucleares enquanto não deixar de se sentir ameaçada”.

    A afirmação aparece no mesmo dia em que o sistema de defesa antimísseis norte-americano THAAD atingiu o caráter operacional na Coreia do Sul, apesar dos protestos da China e de parte da própria população sul-coreana.

    Da sua parte, o Kremlin destacou ainda que seguirá cumprindo o que manda o Tratado de Redução de Armas Estratégicas de 2010 (Start III), reduzindo o seu arsenal nuclear.

    “Apesar das circunstâncias internacionais não tão favoráveis, a Rússia segue adotando medidas concretas para reduzir o seu arsenal nuclear”, afirmou Ulyanov. O diretor russo espera concluir os níveis assinalados pelo Start III em 5 de fevereiro de 2018.

    Tema:
    Tensão sem precedentes entre Coreia do Norte e EUA (186)

    Mais:

    China exigiu aos EUA que parem instalação do sistema THAAD na Coreia do Sul
    Pentágono: THAAD na Coreia do Sul está pronto para interceptar mísseis norte-coreanos
    Coreia do Sul inicia construção de um novo porta-aviões
    Trump diz que não traçará 'linha vermelha' para Coreia como Obama fez em relação à Síria
    Tags:
    Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares, armas nucleares, terceira guerra mundial, guerra nuclear, guerra, Mikhail Ulyanov, Rússia, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik