05:34 22 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Artillery pieces are seen being fired during a military drill at an unknown location, in this undated photo released by North Korea's Korean Central News Agency (KCNA) on March 25, 2016

    O que exercícios norte-coreanos de artilharia dizem sobre as intenções de Pyongyang

    © REUTERS/ KCNA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Tensão sem precedentes entre Coreia do Norte e EUA (186)
    55259

    A Coreia do Norte realizou exercícios de artilharia pesada, possivelmente os maiores da história do país, para marcar o 85º aniversário da fundação do exército do país. Falando à Sputnik, especialistas chineses e russos explicaram por que os exercícios podem ser um sinal de que Pyongyang está buscando algum compromisso com os EUA e seus aliados.

    Os militares norte-coreanos fizeram treinos de artilharia de longo alcance no leste do país, perto da cidade de Wonsan, na terça-feira, marcando o 85º aniversário da fundação do Exército Popular Coreano.

    Funcionários sul-coreanos disseram à agência de notícias Yonhap que os exercícios de fogo vivo foram monitorados de perto pelos militares sul-coreanos. Um relatório disse que entre 300-400 pedaços de artilharia foram utilizados nos exercícios. Fontes também indicaram que havia uma forte probabilidade de que o líder norte-coreano Kim Jong-un assistisse aos exercícios.

    Os exercícios coincidiram com os exercícios militares realizados pelos EUA e pela Coreia do Sul ao largo da costa ocidental da península coreana. No contexto de uma tensa situação de segurança, os Estados Unidos enviaram o porta-aviões USS Carl Vinson para a região, com um submarino de propulsão nuclear também se juntando ao grupo de transportadores das águas da península nos próximos dias.

    Cerca de 28 mil soldados dos EUA estão permanentemente fixados na Coreia do Sul e Washington rejeitou repetidamente a assinatura de um tratado formal de paz com Pyongyang. Legalmente, os EUA e a Coreia do Norte ainda estão em guerra, com as hostilidades mantidas à distância por um armistício assinado em 1953, ano em que a Guerra da Coreia terminou oficialmente.
    Desfile militar em Pyongyang (foto de arquivo)
    © AFP 2018/ Ed Jones
    Desfile militar em Pyongyang (foto de arquivo)

    Na terça-feira, oficiais da Coreia do Sul, Japão e Estados Unidos concordaram em aumentar a pressão sobre Pyongyang em relação aos testes nucleares e de mísseis em andamento, informou o representante Especial da Coreia do Sul para os Assuntos de Paz e Segurança da Península Coreana, Kim Hong-kyun. Por sua vez, o representante especial dos EUA para a Política da Coreia do Norte, Joseph Yun, disse na visão de Washington, estava claro que a Coreia do Norte ainda não estava pronta para o diálogo.

    O aniversário da fundação do Exército Popular da Coreia comemorado nesta terça-feira foi aguardado com grande tensão pela comunidade internacional, que esperava alguma grande demonstração de força. Especialistas temiam que novos mísseis ou testes nucleares fossem prováveis.


    Zhan Debin, chefe do Centro para o Estudo da Península Coreana na Universidade de Negócios e Economia Internacional de Xangai, disse à Sputnik que o fato de que a Coreia do Norte organizou exercícios de artilharia em vez disso pode ser uma indicação de que eles estão dispostos a comprometer.

    "O fato de a Coreia do Norte não ter realizado testes nucleares, ou empreender algumas outras" ações mais sérias pode ​​ser considerado como uma tentativa de algum tipo de compromisso em face da pressão do mundo exterior", explicou o especialista. Afinal, "se a RPDC tivesse realizado testes nucleares, ou lançado um míssil balístico, teria se deparado com uma dura resposta da China e dos Estados Unidos", acrescentou.

    Soldados sul-coreanos de guarda em um posto de controle na Ponte da Grande Unificação, que leva à aldeia de tréguas Panmunjom, ao sul da zona desmilitarizada que separa as duas Coreias, em Paju, na Coreia do Sul
    © REUTERS/ Kim Hong-Ji
    Soldados sul-coreanos de guarda em um posto de controle na Ponte da Grande Unificação, que leva à aldeia de tréguas Panmunjom, ao sul da zona desmilitarizada que separa as duas Coreias, em Paju, na Coreia do Sul
    Pyongyang, observou Zhan, parece ter obtido uma compreensão bastante clara de que os testes nucleares futuros nas circunstâncias atuais seriam prejudiciais aos seus próprios interesses.

    Por exemplo, "os testes nucleares poderiam afetar a situação em torno das eleições presidenciais na Coreia do Sul. Isso é algo que a Coreia do Norte também está ciente. Se a Coreia do Norte realizar mais testes, isso complicará a sua formação da política para a Moon Jae-in, o candidato presidencial sul-coreano líder nas pesquisas, que será forçado a reagir mais severamente, o que por sua vez poderia enfraquecer sua abordagem anterior e mudar o tom de diálogo com Pyongyang. Portanto, se a Coreia do Norte tivesse avançado com seus testes nucleares, teria perdido mais do que ganhado".

    Por sua vez, Irina Lantsova, especialista em Ásia e EUA e professora na Universidade Estadual de São Petersburgo, também indicou que o fato de a Coreia do Norte ter conduzido exercícios de artilharia convencionais em vez de testes nucleares de mísseis era um bom sinal.

    "No dia 15 de abril (o 105º aniversário do nascimento do fundador da Coreia do Norte, Kim Il Sung), Pyongyang marcou a ocasião com um desfile. Seu teste de mísseis planejado não saiu do chão. Então, no dia 25 de abril, quando todo mundo esperava um lançamento ou uma explosão, eles fizeram algo que eles têm todo o direito de fazer nas circunstâncias atuais ", (colocando os exercícios de artilharia em vez disso).


    Isso, de acordo com Lantsova, demonstra um senso de cautela de Pyongyang. "No final, todos engajaram-se, mas a situação na península coreana deve gradualmente voltar ao normal".

     

    Nestas circunstâncias, o acadêmico sugeriu que a pressão adicional dos EUA, Japão e Coreia do Sul só servirá para agravar a situação. Em vez disso, os lados devem de alguma forma concordar em sentar-se na mesa de negociações.

    "Mais pressão só vai convencer a liderança da Coreia do Norte que eles precisam para continuar a desenvolver seu programa nuclear. Nas circunstâncias atuais, vale a pena recordar a experiência das negociações a seis realizadas no início de 2000, que serviu de plataforma para a interação com a liderança norte-coreana". Hoje, estes foram esquecidos, de acordo com Lantsova. Mas talvez lembrar esta experiência pode ser uma boa ideia.


    Zhan Debin enfatizou que alcançar um avanço em seus testes nucleares continuará a ser um objetivo estratégico-chave para Pyongyang, não obstante qualquer pressão que a Coréia do Norte possa enfrentar da comunidade internacional.

    "Essencialmente, se a Coreia do Norte for bem sucedida com um avanço nos testes nucleares, isso será de grande importância para o exército norte-coreano, sua unidade e moral". Depois que o exército se fortalecer, o regime norte-coreano se tornará mais estável e seguro", concluiu o especialista.

    Tema:
    Tensão sem precedentes entre Coreia do Norte e EUA (186)

    Mais:

    Mídia: Coreia do Norte ameaça responder aos EUA com a 'grande guerra pela reunificação'
    Coreia do Norte terá sistema letal de mísseis nucleares submarinos, diz ONU
    Como funciona a Bomba H, a arma que a Coreia do Norte diz ter no arsenal (VÍDEOS)
    Embaixada da Coreia do Norte na Rússia volta a falar em 'guerra total' com os EUA
    Tags:
    USS Carl Vinson, Guerra da Coreia, Universidade de Negócios e Economia Internacional de Xangai, Centro para o Estudo da Península Coreana, Exército Popular da Coreia do Norte, Yonhap, Kim Jong-un, Kim Il-sung, Irina Lantsova, Moon Jae-in, Zhan Debin, Kim Hong-kyun, Pyongyang, Ásia, China, Xangai, Washington, Estados Unidos, Coreia do Norte, Coreia do Sul, Península Coreana
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik