06:17 26 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Lançador múltiplo de foguetes da Coreia do Norte

    Pequim: conflito na Coreia do Norte pode ser despoletado a qualquer momento

    © AP Photo/ KCNA via KNS, File
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Tensão sem precedentes entre Coreia do Norte e EUA (186)
    366271184

    Wang Yi, ministro do Exterior chinês, declarou hoje (14) que o conflito em torno da Coreia do Norte pode ser desencadeado em qualquer momento.

    A declaração de Pequim foi feita na sequência do brusco agravamento das relações entre Pyongyang e Washington. Nas últimas horas, ambos os países trocaram declarações duras e, como destaca a AFP, o apelo do chanceler chinês é destinado tanto aos EUA, quanto à Coreia do Norte.

    Wang Yi advertiu que, em caso de conflito, não haverá um vencedor e aquele que provocar o conflito pagará um preço alto. O chanceler chinês sublinhou que o diálogo é a única solução possível.

    Mais cedo hoje, o vice-ministro da chancelaria norte-coreana, Han Song Ryol, declarou que a situação na península da Coreia "está em um beco sem saída" e que Pyongyang não vai simplesmente esperar por um ataque preventivo dos EUA.

    Anteriormente o canal NBC, citando uma fonte, havia informado que EUA podem levar a cabo um ataque preventivo contra a Coreia do Norte para impedir a realização de mais um teste nuclear de Pyongyang.

    Os EUA enviaram há pouco à península da Coreia um grupo aeronaval de ataque encabeçado pelo porta-aviões USS Carl Vinson. A Coreia do Norte, tal como em muitas outras ocasiões, ameaçou Washington com um ataque nuclear.

    Tema:
    Tensão sem precedentes entre Coreia do Norte e EUA (186)

    Mais:

    Ataque preventivo à Coreia do Norte: preparação para guerra ou propaganda de Trump?
    Trump quer 'gama completa de opções' para ação na Coreia do Norte
    Opinião: 'A guerra preventiva contra a Coreia do Norte pode ser a única alternativa'
    Tags:
    tensão militar, ataque preventivo, Wang Yi, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik