11:17 13 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Central nuclear Kudankulam na Índia

    Estará Índia reconsiderando realmente sua doutrina nuclear?

    © AP Photo/ Rafiq Maqbool
    Ásia e Oceania
    URL curta
    9103

    Uma região instável na fronteira indo-paquistanesa e as tensões entre os ex-responsáveis oficiais deram a Islamabad um motivo para recear que Nova Deli esteja reconsiderando sua doutrina de longa data de "não ser a primeira a usar" armas nucleares.

    Desde que obteve o potencial nuclear pela primeira vez em 1967, a Índia tradicionalmente subscreveu uma doutrina puramente defensiva no que trata do uso das bombas atômicas.

    Entretanto, o professor do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, Vipin Narang, afirmou durante a recente Conferência Internacional sobre Políticas Nucleares da Carnegie, em Washington, que a postura defensiva duradoura de Nova Deli em relação ao uso de armas nucleares poderia estar chegando ao fim, deixando lugar a uma nova mentalidade "preventiva", segundo comunica a edição Business Insider.

    Confirmando estas teorias, o general Ehsan ul Haq, ex-presidente do Comitê de Chefes de Estado-Maior paquistanês, assegurou que a Índia estaria reconsiderando sua postura nuclear, o que, na opinião dele, é apenas a última de uma série de ações cada vez mais provocadoras contra o Paquistão.

    Entre estas se pode incluir o discurso do ex-ministro da Defesa indiano, Manohar Parrikar, feito em novembro de 2016, no qual ele questionou o sentido da política de "não ser o primeiro a usar", a saída de Nova Deli da Cúpula Saarc (conferência anual assistida pelos países-membros, isto é, Afeganistão, Bangladesh, Butão, Índia, Nepal, Maldivas, Paquistão e Sri Lanka), o aumento da histeria militar no país, as tentativas de isolar Islamabad por via diplomática e o aumento visível das tensões fronteiriças.

    Morteiro M777
    © AP Photo/ Mustafa Quraishi
    Haq, citado pelo jornal Times of India, afirmou que a Índia "está desafiando a credibilidade da dissuasão nuclear do Paquistão através de mudanças tanto doutrinais como tecnológicas".

    Naeem Salik, ex-funcionário da Divisão de Planejamento Estratégico do governo paquistanês, declarou que as sugestões da Índia para passar da "[postura] passiva [de "não ser o primeiro a usar"] para os ataques preventivos incapacitantes" criou uma atmosfera de medo entre os estrategistas paquistaneses.

    "Temos de estudar não apenas o nosso lado do jogo, mas também vigiar o que está se passando no outro lado para aprendermos algo com isso e reformarmos também os nossos próprios processos", revelou Salik.

    Agravando ainda mais a preocupação de Islamabad, o ex-chanceler indiano, Shivshankar Menon, afirmou que a postura nuclear de Nova Deli agora tem "muito mais flexibilidade", comunica o portal International Business Times.

    Em suas memórias, Menon escreveu que "há uma potencial área cinzenta quanto à possibilidade de a Índia ser a primeira a usar armas nucleares" contra um inimigo armado com as mesmas armas, alegadamente o Paquistão.

    "Isso é muito assustador, já que todo esse negócio da 'instabilidade do primeiro ataque' é real", adiantou.

    Mais:

    Rússia e Índia estreitam laços na cooperação técnica militar
    Índia vai desenvolver caças de 5ª geração se Rússia oferecer tecnologia
    Como contratos para venda de armas vão impulsionar laços entre Índia e Rússia
    Índia procura acordo de transferência de tecnologia militar com Israel
    Tags:
    bomba atômica, tensões, ataque preventivo, doutrina militar, ameaça nuclear, EUA, Paquistão, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik