09:50 22 Julho 2019
Ouvir Rádio
    A purple crinoid hangs out on a dead coral stalk

    Um grande problema no Mar do Sul da China... e não é militar

    © Foto : NOAA Office of Ocean Exploration and Research, 2016 Hohonu Moana
    Ásia e Oceania
    URL curta
    693

    Os recifes de corais estão morrendo em uma taxa surpreendente, graças ao efeito da mudança climática. A Sputnik reportou mortes catastróficas em Sekiseishoko, o maior coral no Hemisfério Norte, e na Grande Barreira de Corais da Austrália. Cientistas estão agora a soar um alarme para os recifes do Mar da China Meridional, também.

    De acordo com um estudo feito pela Woods Hole Oceanographic Institution, cerca de 40% dos corais no Mar já foram branqueados.

    "O atol de Dongsha é atingido tipicamente com as tempestades tropicais e os ventos fortes em junho, que mantêm os corais tão frescos quanto o oceano aberto", Tom DeCarlo, autor principal do estudo, disse por meio de um release enviado à imprensa na semana passada.

    "Mas em 2015, o clima em junho foi excepcionalmente calmo — em um ponto, não havia vento nem ondas, o que teve um efeito amplificador sobre as temperaturas da água, que já estavam sentindo o calor do aquecimento global e o El Niño. Todo o recife tornou-se uma gigantesca piscina cozinhando ao sol".

    O coral depende muito da temperatura da água em que vive. Apesar de viverem em mares quentes, eles não podem tolerar temperaturas aquáticas muito altas: mesmo o menor aquecimento da água faz com que as algas das quais os corais dependem, morrer. O coral cujas algas morreram perde suas cores magníficas e torna-se branco, num processo conhecido como "branqueamento". Se o coral permanecer sem algas vivas por muito tempo, eles morrem.

    O acúmulo militar pela China e outras nações da região também contribui para a extinção, de acordo com o relatório, já que os militares chineses usam recifes como fundações para a construção militar. Segundo relatos da imprensa, a China assumiu mais de 3.000 hectares de recifes no mar desde o início de 2014. Este tipo de atividade levou a uma redução de 70% na cobertura do recife perto das estruturas, segundo os relatórios.

    "É possível que os recifes de corais estejam em um perigo muito mais imediato do que previmos", disse a cientista do Woods Hole, Anne Cohen. "Quando as anomalias globais e regionais se alinham, um aquecimento aparentemente leve de dois graus poderia ser mais parecido com seis graus".

    Mais:

    Potência militar: China deslocará porta-aviões modernizado para mar do Sul da China
    Presidente filipino: mar do Sul da China é nosso
    Pequim desenvolve mini reator nuclear para as ilhas no Mar do Sul da China
    Tags:
    El Niño, Woods Hole Oceanographic Institution, Tom DeCarlo, Anne Cohen, Hemisfério Norte, Austrália, China, Dongsha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar